Mercado fechará em 3 h 12 min
  • BOVESPA

    112.852,70
    +88,45 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.887,13
    +33,76 (+0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,37
    -3,72 (-4,04%)
     
  • OURO

    1.795,70
    -19,80 (-1,09%)
     
  • BTC-USD

    24.208,67
    -218,55 (-0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    575,68
    -15,08 (-2,55%)
     
  • S&P500

    4.294,05
    +13,90 (+0,32%)
     
  • DOW JONES

    33.930,31
    +169,26 (+0,50%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.648,50
    +70,75 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1705
    -0,0330 (-0,63%)
     

Juíza condena Facebook a pagar R$ 44 mil para vítimas de golpe no WhatsApp

·2 min de leitura

A clonagem de WhatsApp é um golpe já conhecido que continua a fazer vítimas. Agora, uma decisão da juíza Rita de Cássia de Cerqueira Lima Rocha, do 4º Juizado Especial Cível de Brasília, condena o Facebook a indenizar pessoas que caíram em golpes de fraude a partir do mensageiro.

Ela explica que, como é responsável pelo serviço, o Facebook responde objetivamente pelos danos causados a usuários enganados por fraudadores. A empresa deve restituir valores depositados por mãe e filha na conta bancária indicada pelo golpista.

O criminoso usou imagem de perfil de filho de uma das vítimas da farsa para pedir dinheiro. Os autores da ação são filhos da vítima. Segundo eles, a mãe idosa recebeu mensagem de um número desconhecido que usava uma foto do filho. Ele pedia dinheiro e a mãe fez transferência via Pix para a conta informada.

Clonagem de WhatsApp ainda faz muitas vítimas (Imagem: Reprodução/Canaltech/Caio Carvalho)
Clonagem de WhatsApp ainda faz muitas vítimas (Imagem: Reprodução/Canaltech/Caio Carvalho)

Quando o fraudador voltou a pedir dinheiro à idosa, ela já estava sem recursos e solicitou à filha que fizesse o depósito. Na terceira ocorrência, entretanto, a filha desconfiou que se tratava de golpe e entrou em contato com o irmão. Ele, então, informou que não havia encaminhado as mensagens.

Facebook se defende

O Facebook alega que o autor da fraude agiu a partir de um perfil vinculado a número de telefone diferente daquele do filho da vítima e, por isso, não houve falha na prestação de serviço. A juíza destaca que o autor da fraude teve acesso aos dados da vítima, já que utilizou a fotografia de seu perfil e sua lista de contatos telefônicos para aplicar o golpe.

Ela lembra do que diz o artigo 42 da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). “O controlador ou o operador que, em razão do exercício de atividade de tratamento de dados pessoais, causar a outrem dano patrimonial, moral, individual ou coletivo, em violação à legislação de proteção de dados pessoais, é obrigado a repará-lo", aponta.

LGPD protege dados do consumidor (Imagem: Reprodução/Unsplash/Tingey Injury Law Firm)
LGPD protege dados do consumidor (Imagem: Reprodução/Unsplash/Tingey Injury Law Firm)

Além de permitir que os dados da vítima fossem capturados por terceiros, a empresa não tomou medidas para impedir os prejuízos ocasionados. Assim, as atitudes do Facebook resultaram em danos materiais — inclusive por não desativar a conta fraudulenta.

A juíza, então, determinou que é cabível o dever de indenizar e condenou a ré ao pagamento de R$ 44 mil, a título de danos materiais. A ação não inclui pedido de danos morais. Ainda cabe recurso à sentença. Em contato com a reportagem do Canaltech, o WhatsApp informa que está recorrendo. "A empresa está recorrendo da decisão pois os fatos apresentados não decorrem de nenhuma falha de segurança do aplicativo", diz nota oficial.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos