Mercado abrirá em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,57
    +0,18 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.826,70
    +22,10 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    40.216,75
    -178,40 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    942,63
    +12,71 (+1,37%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.077,09
    +60,46 (+0,86%)
     
  • HANG SENG

    26.315,32
    +841,44 (+3,30%)
     
  • NIKKEI

    27.782,42
    +200,76 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    14.979,25
    -32,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0813
    +0,0228 (+0,38%)
     

JPMorgan vê retorno em breve de apostas na reflação

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A recente onda vendedora de ações que podem se beneficiar com a melhora da economia foi exagerada e uma reversão é iminente, de acordo com o estrategista-chefe de mercados globais do JPMorgan Chase, Marko Kolanovic.

Investidores desfazem apostas na reflação em ritmo mais rápido na segunda-feira diante do avanço da variante delta do coronavírus e preocupações de que os EUA estão perto do pico de crescimento econômico. Operadores aumentam a exposição em setores de crescimento, como tecnologia, que são vistos como portos seguros. Mas Kolanovic vê ganhos em ações de valor que podem se beneficiar de uma inflação mais rápida em meio à recuperação econômica global.

“A variante delta da Covid-19 não deve levar a novos lockdowns e, apesar do aumento dos casos, a mortalidade diminuiu significativamente”, escreveu em relatório na segunda-feira. “Esperamos que o ‘trade' da reflação - ações cíclicas, rendimentos de títulos, ações de beta alto, temas de reflação e reabertura - se recupere iminentemente conforme os temores da variante delta diminuam e as surpresas com a inflação persistam.”

Embora os yields dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA tenham caído abaixo de 1,2% pela primeira vez desde fevereiro na segunda-feira, Kolanovic argumenta que o movimento reflete uma “ansiedade exagerada” sobre o crescimento. Na verdade, ele vê os baixos rendimentos reais como uma indicação de que a ponta longa da curva dos Treasuries não está muito preocupada com a redução antes do esperado dos estímulos pelo Federal Reserve.

“Uma persistência nas surpresas da inflação nos próximos meses deve levar a uma correção no grande erro atual de precificação dos rendimentos reais dos EUA, impulsionando os setores orientados para o valor”, escreveu.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos