Mercado fechará em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    112.076,98
    +198,45 (+0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,18
    -0,10 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.842,70
    +12,50 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    19.366,72
    +417,47 (+2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,75
    +6,34 (+1,69%)
     
  • S&P500

    3.671,64
    +2,63 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    29.964,98
    +81,19 (+0,27%)
     
  • FTSE

    6.464,04
    +0,65 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.481,25
    +27,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2747
    -0,0451 (-0,71%)
     

JPMorgan vê ‘ponto ideal’ em mercados emergentes com dólar fraco

Ben Bartenstein
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Ativos de mercados emergentes estarão no “ponto ideal” nos próximos meses devido aos juros baixos globais, dólar mais fraco e um presidente dos EUA potencialmente menos combativo, de acordo com o JPMorgan Chase.

Diana Amoa, gestora do braço de investimentos do banco, disse que a dívida de países em desenvolvimento será beneficiada se Joe Biden vencer a presidência e os republicanos controlarem o Senado. A perspectiva de menos estímulo fiscal sugere juros mais baixos por mais tempo e um período prolongado de fraqueza do dólar, o que pode atrair mais investidores para a classe de ativos, disse.

Os títulos do México e da China, que foram afetados pelas guerras comerciais do governo Trump, se valorizaram em antecipação a uma abordagem mais convencional sob Biden. Amoa disse que essa tendência pode durar.

“Esses dois são provavelmente os principais beneficiários”, disse a gestora por telefone de Greenwich, Connecticut. Enquanto isso, “Rússia e Turquia podem ser mais suscetíveis se houver sanções”.

Assim que houver uma decisão sobre as eleições nos EUA, Amoa disse que investidores em mercados emergentes se concentrarão em duas coisas: o coronavírus e a vacina. Quaisquer ocorrências positivas aumentariam ainda mais o apetite por risco. Por enquanto, ela vê como um incentivo a recuperação dos índices de gerentes de compras em países em desenvolvimento.

Em relação à dívida em moeda forte, Amoa disse que prefere títulos com nota BB, que ainda parecem muito baratos. Suas maiores apostas incluem títulos domésticos do México, Indonésia e África do Sul.

“Com a desvalorização do dólar nos próximos trimestres”, a dívida local de mercados emergentes é uma de nossas principais apostas, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.