Mercado fechará em 37 mins
  • BOVESPA

    117.141,11
    +910,99 (+0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.705,92
    -340,66 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,76
    +1,24 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.726,50
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    20.253,37
    +157,38 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    459,20
    +0,80 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.800,75
    +9,82 (+0,26%)
     
  • DOW JONES

    30.411,05
    +94,73 (+0,31%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.674,25
    +33,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1178
    -0,0501 (-0,97%)
     

JPMorgan vê espaço para grande rali em juros no Brasil até 2024

(Bloomberg) -- O JPMorgan aderiu a uma aposta otimista no mercado de juros do Brasil, vendo espaço para um “rali significativo” ao longo dos próximos 18 meses, mesmo com a expectativa de uma eleição presidencial barulhenta que ocorrerá em cerca de 30 dias.

Saad Siddiqui, diretor e estrategista de mercados emergentes do banco, disse que os juros do Brasil são bastante atraentes, já que o nível das taxas nominais e reais está muito elevado e o Banco Central sinalizou que está perto do fim do ciclo de aperto. Além disso, a inflação dá sinais de queda, o que abre espaço para a recente queda das taxas locais de mercado se prolongar por até um ano e meio.

A questão mais importante para a aposta do JPMorgan funcionar é se o Banco Central embarcará em um grande ciclo de corte de juros em 2023, disse Siddiqui. Os operadores financeiros já precificam uma flexibilização de mais de 2 pontos percentuais para 2023 e economistas consultados pelo BC diminuíram as projeções de IPCA para 2023 pela segunda vez consecutiva, para 5,30%, de acordo com o Boletim Focus.

“Temos sinalizado em nossas recomendações que o mercado de juros no Brasil parece muito atraente”, disse Siddiqui, que recomenda neste contexto aplicar juros e comprar títulos brasileiros de moeda local. Segundo ele, os juros do Brasil são os preferidos entre a América Latina e estão bem posicionados também entre os países de alto rendimento. Os fundamentos de duration -- ou seja, a sensibilidade à variação das taxas de juros, que é maior no caso dos títulos mais longos -- estão melhorando no Brasil com a perspectiva de inflação e a proximidade do fim do aperto.

O JPMorgan antes expressava uma visão construtiva nos juros do Brasil com posições que ganhavam com o “achatamento” da curva doméstica -- diferencial menor entre as taxas futuras de curto e médio prazo. Há cerca de três semanas, o banco converteu esta recomendação em apostas de queda em juros futuros de quatro anos e posições overweight (acima da média de alocação) em títulos.

“Essas posições já tiveram um rali e achamos que no médio prazo ainda há mais para andar, embora nos próximos meses deva haver barulho”, disse Siddiqui. “Acho que não devemos ficar muito complacentes com a política, já que sabemos muito bem que na América Latina, em geral, e no Brasil em particular, pode ser muito importante.”

Além de países asiáticos, como China, apenas Romênia e Brasil estão atualmente com recomendação overweight na carteira de títulos de mercados emergentes do JPMorgan.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.