Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.045,72
    +1.976,03 (+1,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.560,51
    -36,78 (-0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,72
    +3,46 (+5,22%)
     
  • OURO

    1.779,40
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    49.195,17
    +481,20 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.271,26
    +11,10 (+0,88%)
     
  • S&P500

    4.593,00
    +54,57 (+1,20%)
     
  • DOW JONES

    35.223,65
    +643,57 (+1,86%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.868,50
    +150,75 (+0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4089
    +0,0136 (+0,21%)
     

JPMorgan passa a ver alta de 125 pontos-base na Selic neste mês e taxa de 9,75% ao fim do ciclo de aperto

·2 min de leitura
Notas de 200 reais

SÃO PAULO (Reuters) - O JPMorgan elevou a 125 pontos-base sua projeção de aumento da taxa Selic pelo Banco Central nas próximas duas reuniões do Copom, com o BC forçado a acelerar o ritmo de aperto monetário devido à deterioração do balanço de riscos para a inflação.

Em relatório nesta quinta-feira, o banco norte-americano também aumentou a 9% a estimativa para a inflação medida pelo IPCA este ano, citando ainda pressões de preços locais e globais "mais persistentes".

O BC agora vai elevar a Selic em 125 pontos-base ao fim do encontro do Copom dos dias 26 e 27 de outubro e também na mesma magnitude no término da reunião de 7 a 8 de dezembro, estima o JPMorgan.

Na primeira deliberação sobre os juros em 2022, nos dias 1º e 2 de fevereiro, o Bacen vai subir a taxa em 100 pontos-base. Com isso, a Selic sairia dos atuais 6,25% para um patamar terminal de 9,75% --ante 9% estimados até então pelo banco.

"Acreditamos que o Banco Central deve e vai reagir à deterioração acelerando o ritmo de aperto", disseram Cassiana Fernandez (economista-chefe do banco no Brasil) e Vinicius Moreira (economista) no relatório.

"O risco de piora nas perspectivas fiscais até o término do ano e o ambiente global mais desafiador ainda exigem cautela, e não descartamos um movimento ainda mais agressivo pelo Banco Central, seja antecipando o movimento com um aumento de 150 pontos-base na próxima semana ou prolongando ainda mais o ciclo em direção a uma taxa terminal mais alta no próximo ano", completaram.

Os profissionais adicionaram que as condições financeiras mais apertadas vão pesar sobre o crescimento de 2022, e, por isso, enxergam mais riscos de baixa ao prognóstico do JPMorgan de expansão de 0,9% do PIB no ano que vem.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos