Mercado fechará em 1 h 43 min
  • BOVESPA

    111.478,99
    -2.333,88 (-2,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.516,75
    -213,05 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,35
    -0,15 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.763,00
    -8,20 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    21.399,28
    -1.923,48 (-8,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    508,85
    -32,75 (-6,05%)
     
  • S&P500

    4.228,19
    -55,55 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.704,51
    -294,53 (-0,87%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,77 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.270,25
    -253,00 (-1,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1909
    -0,0229 (-0,44%)
     

JPMorgan eleva projeção para Selic a 14% com fim de aperto em setembro

SÃO PAULO (Reuters) - O JPMorgan elevou sua projeção para o patamar da taxa Selic ao final do atual ciclo de aperto monetário do Banco Central a 14,0%, em meio a cenário de resiliência da atividade econômica e persistência de pressões inflacionárias.

Agora, o banco norte-americano espera que os juros básicos sejam elevados em 0,50 e 0,25 ponto percentual, respectivamente, nas reuniões de agosto e setembro do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC. Sob cenário anterior, a previsão era de que a Selic --atualmente em 13,25% ao ano-- seria estacionada em 13,75% no encontro do mês que vem.

Essa revisão é justificada por "perspectiva econômica de crescimento sólido do PIB até agora, expectativas de inflação crescentes e estímulo fiscal adicional" por parte do governo brasileiro, disse o JPMorgan em relatório com data desta quarta-feira, assinado por Vinicius Moreira e Cassiana Fernandez.

Os especialistas acrescentaram que é "difícil descartar" um aperto monetário ainda mais agressivo em setembro, de 0,50 ponto, já que ameaças político-fiscais podem piorar o balanço de riscos para as projeções de inflação.

"Ao mesmo tempo, uma desaceleração mais pronunciada do crescimento econômico global e local --se acompanhada de pelo menos alguma acomodação nas expectativas de inflação-- poderia levar o BC a interromper o ciclo de aperto mais cedo, mas por enquanto acreditamos que a probabilidade desse risco é inferior", disse o JPMorgan.

O credor privado espera que o Banco Central repita no comunicado de política monetária de sua próxima reunião a indicação de que manterá os juros elevados por período prolongado. O Copom se encontra na semana que vem, nos dias 2 e 3 de agosto.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos