Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,41
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.764,30
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    61.892,87
    +794,27 (+1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.430,53
    -21,11 (-1,45%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.274,50
    -16,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3907
    -0,0131 (-0,20%)
     

JPMorgan eleva estimativa de IPCA 2022 a 3,9% e fala em pressão maior nos preços

·2 minuto de leitura
Consumidores fazem compras em mercado de rua do Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - O JPMorgan revisou para cima várias de suas projeções para o IPCA, inclusive para o acumulado de 2021 e 2022, após a divulgação nesta sexta-feira de que o IPCA-15 de setembro foi o maior desde 1994.

"Mais uma vez, o IPCA-15 surpreendeu para cima. O IPCA-15 de setembro de hoje reforçou que as pressões permanecem em curso --em uma extensão ainda maior do que pensávamos", disseram em relatório Cassiana Fernandez (economista-chefe do banco no Brasil) e Vinicius Moreira (economista).

A estimativa para a inflação de 2022 foi elevada a 3,9%, de 3,7%, na esteira de efeitos inerciais. Mas o banco ponderou que esse número considera um cenário "mais favorável" com relação às crises de oferta de energia e água, com expectativa de que os níveis de chuva no ano que vem fiquem mais próximos da média histórica.

A meta de inflação de 2022 está em ​3,50% e é a que o Banco Central ainda diz perseguir, com o alvo de 2021 (+3,75%) já sendo considerado perdido, já que as expectativas para os preços dispararam para a casa de 8% após vários choques e em meio à retomada na atividade econômica.

O JPMorgan espera agora IPCA de 8,4% em 2021, ante 7,9% do prognóstico anterior.

O número esperado para o IPCA de setembro foi elevado para 1,26% sobre agosto (1% na previsão anterior), o que levaria o índice em 12 meses para 10,4%.

"Ainda esperamos alguma desaceleração da inflação, mas menos do que antes, principalmente para outubro", disseram os economistas. A projeção do IPCA de outubro foi revisada de 0,47% para 0,62%.

"Ambas as nossas revisões de alta foram puxadas principalmente por renovadas pressões de bens duráveis (particularmente o complexo de veículos e peças), preços de alimentos frescos e passagens aéreas", disseram.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos