Mercado abrirá em 5 h 55 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,58
    +1,08 (+1,76%)
     
  • OURO

    1.752,20
    +23,40 (+1,35%)
     
  • BTC-USD

    45.999,02
    +1.129,68 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    918,70
    -14,44 (-1,55%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.402,22
    +422,01 (+1,46%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.063,50
    +152,50 (+1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7591
    +0,0008 (+0,01%)
     

Jovens usam PIX para “paquerar” e expõem dados pessoais nas redes sociais

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

O sistema de pagamentos instantâneos PIX veio em uma boa hora: por funcionar 24 horas por dia e sete dias por semana, permitindo a transferência imediata de valores entre qualquer instituição bancária, a tecnologia está ajudando pequenos empreendedores a receber por produtos comercializados ou serviços prestados com maior agilidade. Porém, a novidade também está sendo usada de forma indevida pelo público jovem.

Pesquisadores de segurança da companhia eslovaca ESET emitiram um alerta a respeito dos perigos de uma nova tendência que está sendo referida como “pixtinder” ou “pixssexual”. Sim, os internautas brasileiros estão usando o PIX para paquerar online, expondo suas chaves em redes sociais para receber transferências de pequenos valores como “mimos”. Obviamente, tal comportamento traz uma série de riscos.

<em>Imagem: Divulgação/ESET</em>
Imagem: Divulgação/ESET

Segundo os especialistas, já é comum encontrar publicações como “Não me mande flores, me mande um PIX” ou “Aqui é ruim de conversar, anota meu PIX”, procedidas de chaves que identificam o internauta no sistema de pagamentos. Vale lembrar que chaves PIX podem ser um endereço de e-mail, um número de telefone ou um CPF; não é necessário informar agência bancária ou número da conta para efetuar a transação.

“Ao iniciar um processo de transferência de valores através do PIX, o sistema exibe o nome completo do titular vinculado à chave e um fragmento do CPF, ou seja, isso pode fazer com que criminosos tenham mais facilidade de encontrar informações sobre possíveis vítimas e entrem em contato com elas posteriormente”, explica Daniel Barbosa, pesquisador de segurança da ESET Brasil.

<em>Imagem: Divulgação/ESET</em>
Imagem: Divulgação/ESET

Daniel ressalta que, no caso de chaves que são o e-mail ou número de telefone do internauta, os scammers já teriam “meio caminho andado” para encontrar as informações necessárias para aplicar um golpe na vítima. O ideal é gerar uma chave aleatória sempre que precisar receber via PIX; ainda assim, a exposição desnecessária nas redes sociais continua sendo uma prática não-recomendada.

“Mesmo que as pessoas tenham escolhido a opção ‘chave aleatória’ com o intuito de protegerem seus dados pessoais, elas podem estar correndo sérios riscos de segurança ao expor publicamente esse tipo de informação em suas redes sociais”, conclui o executivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: