Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,58
    +0,22 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.785,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.572,91
    -151,96 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.324,86
    +19,75 (+1,51%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.879,73
    +19,11 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    16.380,50
    -11,75 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2804
    +0,0063 (+0,10%)
     

Jovens empreendedoras faturam R$ 3,5 milhões com e-commerce de roupas minimalistas

·2 min de leitura
A marca pretende fechar 2021 com o faturamento de R$ 6 milhões. Foto: Getty Images.
A marca pretende fechar 2021 com o faturamento de R$ 6 milhões. Foto: Getty Images.
  • Três jovens empreendedoras criaram o próprio e-commerce de marca de roupas;

  • Com oito anos de negócio, a Guardaroba foca no estilo minimalista;

  • Apenas em 2020, a marca faturou R$ 3,5 milhões.

Desde a infância e adolescência somos instigados a ter sonhos profissionais para o futuro. Contudo, é normal que muitas dessas aspirações juvenis não se efetivem na idade adulta, quando a pressão e a competição profissionais batem na porta.

Fugindo da estatística, três jovens empreendedoras seguiram o sonho adolescente e transformaram a imaginação em realidade. Juliana Santana, de 25 anos, Rafaela Torneri, de 24 anos, e Gabriella Torneri, de 23 anos, criaram a própria loja online de moda e estão faturando milhões de reais.

Leia também:

Tudo começou em 2013, no último ano do ensino médio. Por meio de uma conversa entre as três amigas, ambas decidiram desenvolver uma marca de camisetas criativas chamadas de Guardaroba, termo italiano que em português significa “guarda-roupa”.

Após oito anos de empresa, agora, em 2021, a empresa e o e-commerce estão focando no estilo minimalista, com tons branco e preto. Apenas em 2020, a marca faturou R$ 3,5 milhões. Até o final deste ano, o negócio pretende fazer R$ 6 milhões em vendas.

O embrião da Guardaroba veio quando as irmãs Juliana e Rafaella usaram R$ 100 reais guardados para comprar dez camisetas estampadas: moda na época. Após vender os itens na escola, a dupla criou um site e uma conta no Instagram para divulgar o negócio.

Para Rafaella, no começo, era mais uma atividade de lazer. Desse modo, as três empresárias cursaram administração em São Paulo, desenvolvendo cada vez mais a marca. Foi depois que usaram a edícula dos pais como escritório que o negócio tomou o estilo básico atual.

Depois de um começo despretensioso, a Guardaroba alcançou reconhecimento de clientes, e o alcance foi percebido pela primeira vez em 2018, após um evento físico no qual horas antes do lançamento de uma coleção já havia meninas à espera dos produtos.

Agora, com a alta demanda, o negócio conta com 11 pessoas em diversas áreas. Há dois meses, as empreendedoras abriram um showroom no próprio escritório, que pode receber visitas mediante agendamento prévio.

Com a pandemia, o e-commerce, que é o carro-chefe da empresa, cresceu, e, em 2020, as vendas aumentaram em 66%. Após um ano, as empresárias estão expandindo cada vez mais o catálogo da marca.

As informações são do Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos