Mercado fechará em 35 mins
  • BOVESPA

    100.589,74
    -670,01 (-0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.258,06
    -449,66 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,46
    -1,39 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.904,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    12.918,07
    -231,95 (-1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,42
    -5,99 (-2,27%)
     
  • S&P500

    3.385,92
    -79,47 (-2,29%)
     
  • DOW JONES

    27.551,39
    -784,18 (-2,77%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.416,50
    -247,00 (-2,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6444
    -0,0195 (-0,29%)
     

Jovem tem currículo usado como etiqueta de bolsa em loja: 'Ridículo'

Redação Notícias
·2 minutos de leitura
Foto tirada pela mãe de Gabrielle, que flagrou o currículo da filha sendo usado como etiqueta. (Foto: Reprodução/Facebook)
Foto tirada pela mãe de Gabrielle, que flagrou o currículo da filha sendo usado como etiqueta. (Foto: Reprodução/Facebook)

Uma jovem de 20 anos se revoltou ao descobrir que seu currículo estava sendo re-utilizado em uma loja de presentes de Jaboticabal, no interior de São Paulo, para fazer etiqueta de preços dos produtos. A exposição foi descoberta pela mãe nesta segunda-feira (5), que foi até a loja, viu a foto da filha em uma bolsa e avisou à jovem.

Gabrielle Mestre postou o caso nas redes sociais e afirmou que está à procura de um advogado e quer entrar na Justiça contra a loja. Em pouco mais de 8h, a publicação já havia passado de 1 mil compartilhamentos, 1 mil interações e mais de 300 comentários.

“É ridículo, né? Estou sem comida em casa. Pego meus únicos dez reais, pego uma moto, vou lá no Centro e eles fazem essa sacanagem”, disse ela, em entrevista ao G1.

Leia também

Uma funcionária da loja Milly Presentes, onde aconteceu a exposição, confirmou ao G1 que o currículo da jovem foi utilizado para marcar o preço da bolsa. Ela informou que imagem já foi retirada da vitrine e lamentou o “engano”, explicando que o procedimento da loja para escrever etiquetas à mão é de usar somente papéis em branco.

“Eles podiam ter jogado no lixo, mas não, usaram como etiqueta da loja (...). É uma falta de consideração total”, desabafou, ao portal.

Gabrielle conta que deixou o currículo na loja pensando no aumento do movimento do comércio para as festividades de fim de ano. Desde o início da pandemia de Covid-19, ela recebe o auxílio-emergencial de R$ 600. Mas, segundo ela, o valor nem sempre é suficiente para manter os gastos do apartamento. “Quero algo trabalho fixo”, afirma.