Mercado fechado

'Joice não é a melhor candidata para SP', diz Janaina Paschoal sobre escolha à Prefeitura

João de Mari
·2 minutos de leitura
Janaina Paschoal no Yahoo! Notícias (Foto: Yahoo! Notícias/Facebook)
Janaina Paschoal no Yahoo! Notícias (Foto: Yahoo! Notícias/Facebook)

Em entrevista exclusiva ao Yahoo! Notícias, nesta sexta-feira (9), a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) afirmou que Joice Hasselmann, nome do PSL na disputa à Prefeitura da capital, “não é a melhor candidata para a cidade”.

“Eu disse para a Joice que não era o caso dela tentar ser prefeita em São Paulo, porque ela já estava em Brasília. Falei que a gente teria que criar uma chapa que tirasse o PT, PSDB e DEM do comando, porque o estado e a cidade são controlados por esse trio, mas mesmo assim ela afirmou que seria candidata. Eu não vejo a Joice hoje como melhor candidata para São Paulo”, avaliou.

Ao ser questionada quem seria o melhor candidato ou candidata, a deputada afirmou que está dividida entre o ex-vereador Andrea Matarazzo (PSB) e o deputado Arthur Do Val (Patriota), o “Mamãe Falei”.

“Eu vejo que o melhor candidato o Andrea Matarazzo, mas tenho uma afinidade muito grande com o Arthur Do Val, que está até chateado comigo [pela preferência ao adversário Andrea]. Eu estou dividia entre os dois, mas para mim o Andrea é o mais competente”, disse.

Leia também

Paschoal ainda explicou que a chapa perfeita para a maior cidade do país deveria unir uma figura “jovem” com um candidato “experiente”, aos moldes da chapa formada por Guilherme Boulos e Luiza Erundina como vice-prefeita, do partido de oposição PSOL.

“Há dois anos eu faço reuniões com os potenciais candidatos do PSL à Prefeitura de São Paulo, tentando fazer o que o PSOL fez. Tentei conscientizar que seria necessário formar uma chapa forte para a direita ser competitiva. Gostaria unir um candidato forte, jovem, que representasse a mudança, a audácia e coragem, com um candidato experiente, maduro, centrado”, disse.

A deputada concluiu que Joice “faz um bom trabalho”, porém, sem explicar os motivos, analisou que “tem que se preocupar com a cidade”. “Tenho que pensar na minha cidade, me preocupo em como gerencias São Paulo, que é um país”.