Mercado abrirá em 3 h 42 min
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,12
    -0,49 (-0,67%)
     
  • OURO

    1.765,80
    +9,10 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    47.837,27
    -265,91 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.220,41
    -12,88 (-1,04%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.055,14
    +27,66 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.512,00
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2050
    +0,0202 (+0,33%)
     

Joice Hasselmann diz que enviará à polícia mensagens que recebeu do marido antes de agressão

·3 minuto de leitura

RIO — A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que vai enviar à polícia as mensagens que recebeu do marido, o neurocirurgião Daniel França, antes e depois da agressão que sofreu, na noite do dia 17 de julho. Segundo a parlamentar, ela vai fazer uma ata notarial das conversas para mostrar que o marido não foi o autor do ataque.

Joice Hasselman relatou a agressão pela primeira vez à colunista Bela Megale na última quinta-feira. Na ocasião, ela contou que acordou no domingo sobre uma poça de sangue, sem se lembrar o que tinha acontecido. A deputada sofreu cinco fraturas na face e uma na coluna.

Segundo trechos das mensagens aos quais o GLOBO teve acesso, dois dias antes da agressão, na sexta-feira, França mandou fotos de joias à parlamentar para que ela escolhesse quais gostaria de ganhar de presente — um hábito, segundo Hasselmann, comum do marido. Ele também lhe enviou uma foto de seu gato.

Em seguida, a deputada diz que ama o marido, que responde: “também te amo, minha Sultana!” — apelido usado frequentemente por França, de acordo com a deputada.

Hasselman relata que na noite de sábado, dia 17, ela estava assistindo a uma série quando teve um lapso de memória. Ela acordou na manhã seguinte, deitada no chão de sua casa, em cima de uma poça de sangue e sem saber o que havia acontecido durante a noite. Com várias fraturas, pediu ajuda do marido, que dormia em quarto separado. Segundo o casal, eles dormem em cômodos diferentes porque França tem problemas com ronco.

Após o relato, houve a suspeita nas redes de que Hasselmann teria sido vítima de uma agressão doméstica — hipótese de que a deputada nega. Ela suspeita que alguém tenha invadido o apartamento e desferido um golpe em sua cabeça, resultando em desmaio. Também já apontou à Polícia Legislativa e ao Ministério Público "duas pessoas suspeitas", que preferiu não nominar e disse apenas que um deles é um parlamentar.

— As pessoas estão imputando a ele coisas que jamais faria sendo o príncipe que é comigo. Meu marido tem que dar aula de marido para muita gente, porque ele sim sabe tratar uma mulher do jeito que uma mulher tem que ser tratada, como uma princesa — defendeu Hasselmann.

A deputada afirmou ainda que só foi ao hospital para fazer exames na terça-feira seguinte à agressão. Em uma entrevista coletiva no último domingo, ela e o marido justificaram a demora afirmando que França, por ser médico, a atendeu e cuidou dela em casa.

Na segunda-feira seguinte à agressão, França, no entanto, viajou para atender seus pacientes em outro estado — é o que mostram as mensagens as quais o GLOBO teve acesso. Questionada, Hasselmann confirmou que o marido, por ter pacientes em São Paulo e em Teresina, costuma passar a semana fora os atendendo e volta para ficar com ela no fim de semana.

O mesmo se repetiu na semana passada, de acordo com a deputada, que se reencontrou com o marido no sábado passado.

Hasselmann e França já passaram um período separados no ano passado. A separação aconteceu em fevereiro de 2020, conforme noticiou a coluna da Bela Megale na época. Perguntada sobre isso, a deputada afirmou que os dois reataram o relacionamento um mês depois.

— Coisa besta de casal. Não foi nada oficial — disse.

O Ministério Público Federal no Distrito Federal decidiu devolver para a Polícia Legislativa (Depol) o inquérito sobre as agressões sofridas pela deputada para pedir complementos no material, após constatar que os laudos periciais estavam incompletos.

O material foi enviado ao MPF nesta terça-feira pela Polícia Legislativa, que considerou o caso encerrado após ter feito perícia nas câmeras do prédio onde a deputada mora e após ter ouvido pessoas que trabalham no local. Segundo o colunista Lauro Jardim, do GLOBO, até a noite de terça-feira os agentes não haviam encontrado qualquer imagem de estranhos entrando no prédio onde a deputada mora. Nas redes sociais, a parlamentar afirmou que o edifício não dispõe de câmeras nas escadas e nas entradas dos apartamentos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos