Mercado abrirá em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,13
    +0,68 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.735,60
    -16,40 (-0,94%)
     
  • BTC-USD

    41.771,68
    -2.076,41 (-4,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,38
    -64,14 (-5,82%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.031,72
    -31,68 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.949,75
    -245,00 (-1,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2867
    -0,0201 (-0,32%)
     

Joice Hasselmann denuncia ao Ministério Público que sofreu seis fraturas

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA — A deputada federal Joice Hasselman (PSL-SP) denunciou ao Ministério Público na noite dessa sexta-feira as agressões sofridas por ela na madrugada do último domingo. A parlamentar prestou depoimento à promotora Gabriela Manssur, que coordena a Ouvidoria da Mulher no Conselho Nacional do Ministério Público.

O caso já é investigado pela Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. Na tarde dessa sexta-feira, Joice prestou depoimento aos agentes sobre o ocorrido. Segundo ela, informações do inquérito poderão ser compartilhadas com a Polícia Civil de São Paulo.

— Acabei de fazer uma denúncia no conselho Nacional do Ministério Público, na ouvidoria da mulher. A dra. Gabriela Manssur estava aqui em casa tomando meu depoimento. Ela é do grupo Justiça de Saias, mas também coordena a ouvidoria nacional da mulher dentro do Conselho Nacional do MP — diz a deputada.

Segundo ela, a denúncia ao MP foi feita para que o caso seja esclarecido. Assim como afirmou à coluna de Bela Megale, Joice diz que não aceitará ilações sobre a possibilidade de violência doméstica. Ela defendeu o marido, o neurocirurgião, Daniel França.

— Fiz a denuncia por vários motivos. Primeiro, porque eu acho que o Ministério Público tem que investigar isso. Segundo, porque tem um bando de canalhas querendo distorcer os fatos e jogar isso para uma violência doméstica, que não deixa de ser grave, mas não é algo como uma violência política. Então, eu pedi todo apoio, e ela (a promotora) acabou de sair daqui.

Joice relata que, no último domingo, acordou no chão de sua casa, envolta em uma poça de sangue, sem saber o que aconteceu durante a noite. Com várias fraturas pelo corpo, pediu ajuda do marido, que dormia em quarto separado, porque França tem problemas com ronco.

Após ir ao hospital, Joice foi diagnosticada com lesões corporais. A última lembrança, segundo ela, foi a de assistir a um capítulo de uma série na sua cama. Ela suspeita que alguém tenha invadido o apartamento e desferido um golpe em sua cabeça, resultando em desmaio.

— O caso vai ser investigado pela Depol (Departamento de Polícia Legislativa) e pela Polícia de São Paulo. Vou solicitar o compartilhamento de todos os dados com a Polícia de São Paulo. E, agora, também a ouvidoria nacional do Ministério Público e da defesa das mulheres já entraram neste caso.

Ao GLOBO, Joice disse que vai processar "os vagabundos" que estão lançando suspeitas sobre o marido.

— Prestei depoimento por telefone (à polícia legislativa), mas hoje fui lá (presencialmente) para assinar e indicar as testemunhas, porque quero que todos sejam ouvidos. Especialmente quem me socorreu, e hoje está sendo mais vítima do que eu, que é o meu marido. Estou com cinco fraturas no rosto, uma na espinha, e esses canalhas conseguem fazer uma fratura na minha alma, que é distorcer o que está tudo apontando para ser um atentado e tentar colocar nas costas de um homem que vive a vida para salvar os outros.

Joice diz que indicou como testemunhas à Polícia Legislativa o marido, dois funcionários e, caso a polícia julgue necessária, uma terceira funcionária. Joice voltou a defender de forma veemente o neurocirurgião.

— Claro que ele está abalado, ele não é jornalista como eu, não é político, a arma dele é um bisturi para salvar vidas. Alguém que nunca passou por esse tipo de absurdo, uma pessoa que não aparece na imprensa, discreto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos