Mercado abrirá em 59 mins
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,39
    +0,54 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.783,10
    +5,70 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    34.016,28
    +2.401,55 (+7,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,96
    +19,63 (+2,47%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.109,49
    +19,48 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.262,00
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9357
    +0,0159 (+0,27%)
     

Johnson & Johnson terá que pagar US$ 2,1 bilhões por vender talco cancerígeno

·1 minuto de leitura
Talcos da Johnson & Johnson, em supermercado de Alhambra, na Califórnia

A Suprema Corte dos Estados Unidos recusou-se nesta terça-feira (1º) a considerar um recurso da farmacêutica americana Johnson & Johnson, confirmando assim sua sentença de pagar 2,1 bilhões de dólares em indenização pela venda de talco feito com produtos cancerígenos.

A mais alta instância do país não esclareceu, como de costume, sua decisão, que encerra anos de contencioso e pode repercutir em outras ações coletivas.

A fabricante de produtos de higiene recebeu milhares de reclamações nos últimos anos de pessoas que a acusavam de vender talco que continha amianto e causava câncer de ovário.

A Johnson & Johnson sempre negou essas acusações.

A empresa foi condenada várias vezes, uma delas em 2018 por um júri que a sentenciou a pagar US$ 4,7 bilhões a 22 demandantes por danos e prejuízos.

Em junho de 2020, um tribunal de apelações do Missouri reduziu esse valor, concluindo que alguns demandantes, por não ter vínculos com o estado, não deveriam ter sido incluídos no julgamento.

No entanto, o tribunal considerou que o grupo havia "deliberadamente vendido produtos contendo amianto aos consumidores", o que causou "grande desgaste físico, mental e emocional".

A Johnson & Johnson apelou para a Suprema Corte do Missouri, que se recusou a revisar o caso, e depois para a mais alta corte do país, que fez o mesmo nesta terça-feira.

O grupo argumentou que a ação coletiva, que incluía demandantes de outros estados, violava seus direitos e contestava o valor punitivo da sentença.

Para a empresa, a decisão da Suprema Corte não tem nada a ver com "segurança do produto" e também criticou que "deixa de lado importantes questões jurídicas que os tribunais estaduais e federais continuarão a enfrentar" sobre temas processuais e de competência legal.

chp/cjc/gma/dga/bn/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos