Mercado abrirá em 4 h 28 min

Johnson & Johnson pede autorização para vacina contra covid-19 nos EUA

·2 minuto de leitura
Doses da vacina Johnson & Johnson

A farmacêutica Johnson & Johnson anunciou nesta quinta-feira (4) que solicitou à Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) a autorização para o uso emergencial de sua vacina contra a covid-19.

A FDA anunciou que reunirá seu comitê consultivo de vacinas em 26 de fevereiro para emitir sua opinião após estudar dados de testes clínicos.

Se o pedido for aprovado, a Johnson & Johnson se tornará a terceira farmacêutica - depois da Pfizer/BioNTech e Moderna - a receber autorização para distribuir sua vacina nos Estados Unidos, país com mais mortes por coronavírus (450.800).

O processo pode levar algumas semanas enquanto a FDA avalia os dados de eficácia do composto, que apresenta vantagens logísticas, como o fato de exigir apenas uma dose e não precisar ser armazenado em freezers especiais.

"Após a autorização de nossa vacina experimental contra a covid-19 para uso emergencial, estamos prontos para começar a distribuição", disse o diretor científico da empresa.

A FDA está convocando um comitê consultivo para analisar dados de estudos clínicos que devem avaliar se os benefícios da vacina superam os riscos envolvidos em seu licenciamento.

A gigante farmacêutica divulgou na semana passada os primeiros resultados dos testes clínicos, que foram conduzidos em 44.000 pacientes em oito países.

A vacina mostrou eficácia de 66% com uma taxa de 85% na prevenção de quadros graves da doença. Porém, os dados mostraram que os testes foram mais eficazes nos Estados Unidos (72%) do que na África do Sul (57%), onde predomina uma cepa diferente do vírus.

Ao contrário das vacinas da Pfizer e da Moderna, que são baseadas em uma técnica inovadora de RNA mensageiro, a vacina da Johnson & Johnson usa um vetor viral enfraquecido para criar imunidade. Este é o mesmo processo usado pelas vacinas Sputnik e da AstraZeneca.

bur-an/lda/am/ic/mvv