Mercado abrirá em 1 h 35 min

Johnson & Johnson condenada a pagar 2,1 bilhões de dólares por talco ligado a cáncer

Produtos da Johnson & Johnsonà venda em um supermercado em Alhambra, Califórnia, em agosto de 2017

Um tribunal de apelações dos Estados Unidos confirmou o veredito de que o talco vendido pela Johnson & Johnson causa câncer de ovário e condenou a gigante farmacêutica americana a pagar 2,1 bilhões de dólares em danos.

A decisão do Tribunal de Apelações do Missouri reduziu em mais da metade os 4,4 bilhões de dólares que um júri concedeu a 22 demandantes e suas famílias em 2018.

O tribunal concluiu que alguns dos queixosos não deveriam ter sido incluídos no processo porque eles vieram de fora do estado.

Mas a decisão de terça-feira confirmou os danos e agora o grupo de produtos farmacêuticos e de higiene terá que pagar pela "venda consciente de produtos que contêm amianto aos consumidores", segundo a sentença.

Os autores da ação alegaram que o uso do talco da Johnson & Johnson para sua limpeza íntima havia causado câncer de ovário.

Uma porta-voz da Johnson & Johnson disse que a empresa recorreu da decisão na Suprema Corte do Missouri, de acordo com o Wall Street Journal.

A empresa tem sido alvo de milhares de ações judiciais nos últimos anos, sendo acusada de não avisar aos consumidores sobre riscos de câncer devido ao amianto em seu pó de talco, e foi condenada várias vezes por esse motivo.

O grupo sempre alegou que seu talco era livre de amianto e câncer.

Em maio, a empresa anunciou que não estava mais vendendo esse produto nos Estados Unidos e no Canadá, países onde as vendas diminuíram devido a mudanças de hábitos e desconfiança do consumidor em relação ao mesmo. Mas ele continuará sendo comercializado no resto do mundo.