Mercado fechará em 4 h 8 min
  • BOVESPA

    109.133,06
    -2.406,73 (-2,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.011,01
    +328,82 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,27
    +1,52 (+2,54%)
     
  • OURO

    1.706,40
    -27,20 (-1,57%)
     
  • BTC-USD

    50.613,19
    +1.284,34 (+2,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.012,73
    +24,64 (+2,49%)
     
  • S&P500

    3.850,13
    -20,16 (-0,52%)
     
  • DOW JONES

    31.430,62
    +39,10 (+0,12%)
     
  • FTSE

    6.645,88
    +32,13 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.852,00
    -203,25 (-1,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9324
    +0,0703 (+1,02%)
     

Johnson & Johnson apresentará resultados de vacina contra a covid-19 semana que vem

·2 minuto de leitura
A Johnson & Johnson pretende comunicar os resultados de seu esperado ensaio clínico com sua vacina contra a covid-19 na semana que vem

A Johnson & Johnson espera comunicar os resultados do muito aguardado teste clínico sobre sua vacina contra a covid-19 na semana que vem, antecipou nesta terça-feira (26) o diretor financeiro da farmacêutica americana à emissora CNBC.

Espera-se que a empresa solicite a autorização de uso emergencial para seu imunizante de dose única ao mesmo tempo, podendo se tornar pouco depois a terceira vacina autorizada pelas autoridades nos Estados Unidos.

"Planejamos informar no começo da semana os nossos resultados", disse Joseph Wolk.

Ele acrescentou que o estudo de fase 3, realizado com 45.000 pessoas em 80 países incluía potencialmente casos de novas cepas identificadas no Brasil e na África do Sul.

"Em termos de fornecimento, estamos muito confiantes e no caminho de cumprir todos os nossos compromissos", acrescentou.

Estes incluem a produção de 100 milhões de doses para os Estados Unidos antes do fim de junho, 200 milhões de doses antes do fim do ano para a União Europeia, com remessas que devem começar em abril. Outros 200 milhões de doses serão enviadas para países em desenvolvimento e começariam a ser remetidas no segundo semestre.

A aprovação de uma nova vacina chegaria em um momento em que os Estados Unidos tentam acelerar sua taxa de imunização, já que o novo objetivo do presidente recém-empossado, Joe Biden, é alcançar 1,5 milhão de aplicações por dia.

Biden anunciou na segunda-feira sua nova meta, que supera a anterior, com a qual pretendia alcançar 100 milhões de doses nos cem primeiros dias de sua administração.

Como as vacinas dos laboratórios americanos Pfizer e Moderna, a da J&J envia instruções genéticas às células humanas para criar uma proteína específica contra o novo coronavírus, com o objetivo de treinar o sistema imunológico para enfrentar o vírus vivo.

Pfizer e Moderna usam moléculas de RNA mensageiro, enquanto a vacina da J&J é feita com base em um DNA de dupla cadeia que se torna RNA dentro das células humanas para alcançar o mesmo objetivo.

As vacinas da AstraZeneca, Sputnik e CanSino usam técnicas similares, conhecidas como "vacinas de vetor adenoviral".

São mais resistentes do que os modernos imunizantes de RNA e podem ser armazenadas na temperatura de refrigeradores e por isso não precisam de freezers especiais.

ia/dw/rs/llu/mvv