Mercado abrirá em 9 h 59 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,26
    +0,35 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.867,80
    -11,80 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    38.975,97
    +3.467,16 (+9,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    976,04
    +34,22 (+3,63%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.109,52
    +160,79 (+0,56%)
     
  • NASDAQ

    14.024,75
    +30,50 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1879
    -0,0047 (-0,08%)
     

Jogo do Atlético-MG na Libertadores é paralisado por protestos na Colômbia

·1 minuto de leitura

O jogo entre América de Cali e Atlético-MG, pela Libertadores, foi interrompido diversas vezes na noite desta quinta-feira, em meio a protestos que estavam prometidos para o entorno do estádio, em Barranquilla.

Os atletas das duas equipes respiraram gás lacrimogêneo e tiveram que lavar o rosto e sair de campo. O médico do Atlético-MG, assim como o técnico Cuca, conversaram sobre a possibilidade de continuidade da partida, que estava empatada em 1 a 1 ainda no primeiro tempo. Minutos depois, a partida foi retomada, mas chegou a parar por quatro oportunidades.

Vale lembrar que a Conmebol bancou a realização do jogo no palco dos protestos, que são motivados pela revolta da população com a reforma tributária no país. Antes da partida começar, já havia movimentação fora do estádio Romello Martinez com críticas ao governo.

Os manifestantes pediram o cancelamento do jogo, com o slongan "Sem paz, sem futebol".

Segundo o regulamento da entidade, "A interrupção, suspensão e abandono do campo de jogo ou cancelamento da partida são o último recurso possível e somente poderão ocorrer quando houver uma ameaça clara e iminente à segurança dos jogadores, oficiais e/ou público".

A situação já havia ocorrido no duelo entre Júnior e River Plate, na última quarta-feira, quando jogadores argentinos sofreram com a nuvem de gás lacrimogêneo.