Mercado abrirá em 4 h 7 min
  • BOVESPA

    103.713,45
    +1.920,93 (+1,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.198,94
    +315,99 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,94
    -0,43 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.991,80
    -5,90 (-0,30%)
     
  • Bitcoin USD

    27.822,22
    -792,97 (-2,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    609,13
    -10,11 (-1,63%)
     
  • S&P500

    4.050,83
    +23,02 (+0,57%)
     
  • DOW JONES

    32.859,03
    +141,43 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.629,68
    +9,25 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    20.400,11
    +90,98 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.041,48
    +258,55 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.083,25
    +1,25 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5218
    -0,0338 (-0,61%)
     

Joe Biden promete manter ajuda à Ucrânia e lança avisos a Rússia e China

Joe Biden centrou em Vladimir Putin boa parte do discurso deste ano do Estado da União depois de já no ano passado a invasão da Ucrânia ter marcado, no Congresso dos Estados Unidos, as palavras do Presidente à nação.

Perante vários convidados especiais na galeria de um congresso agora muito dividido entre Democratas e Republicanos, o Presidente dos Estados Unidos descreveu a invasão russa da Ucrânia como "um teste para a América e para o mundo" e prometeu manter "a defesa da soberania e da democracia contra a tirania".

Além de Vladimir Putin, também Xi Jinping teve direito a um aviso neste discurso do Estado da União.

"Se a China ameaçar a nossa soberania, nós iremos agir para proteger a nossa nação. E assim fizemos", afirmou Joe Biden, referindo-se ao recente incidente com um alegado “balão-espião” chinês, abatido quando sobrevoava, na semana passada, os Estados Unidos.