Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.214,94
    +446,88 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Joe Biden eleito: o que esperar sobre saúde?

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
(AP Photo/Carolyn Kaster)
(AP Photo/Carolyn Kaster)

Joe Biden será o 46º presidente dos Estados Unidos. O candidato do partido Democrata, que foi vice-presidente durante toda a gestão de Barack Obama, venceu de acordo com as projeções feitas por especialistas e agências. Por conta do sistema de votação, o resultado oficial, após apuradas todas as urnas, pode levar dias — e até semanas ou meses — ser divulgado.

Veja o que esperar de Biden na área da saúde

A principal bandeira do novo governo na saúde pública é uma conquista do governo de Barack Obama, de quem Biden foi vice durante dois mandatos. O Affordable Care Act instituiu, em 2010, o programa que ficou conhecido como Obamacare, responsável por ampliar a cobertura de saúde para pessoas que nunca tiveram seguro no país em que não existe uma política nacional de saúde gratuita, como o SUS brasileiro.

Leia também

Desde a aprovação, entretanto, congressistas republicanos --e Trump, mais recentemente-- tentam revogar o Obamacare. Na próxima terça-feira (10), a Suprema Corte dos EUA deve votar sobre a constitucionalidade de alguns trechos da lei que o instituiu.

Como presidente, Biden promete não apenas manter o programa, mas estendê-lo a um número ainda maior de americanos --estima-se que mais de 100 milhões de pessoas tenham sido beneficiadas.

O democrata também fala em auxílios financeiros para ajudar famílias de baixa renda a quitar despesas médicas, regulamentação de preços na indústria farmacêutica e políticas antitruste para impedir a formação de cartéis entre as empresas do segmento.

Em outra medida que deve encontrar resistência entre as alas mais conservadoras da política americana, estão os planos de ampliação do acesso a métodos contraceptivos e a proteção do direito ao aborto. Nos EUA, a legislação sobre direito reprodutivo varia entre os estados, mas mesmo nos locais onde o aborto é permitido, mulheres que optam pelo procedimento ainda enfrentam resistência.

Da FOLHAPRESS