Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    18.728,88
    -311,96 (-1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,46
    -2,05 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3377
    -0,0592 (-0,93%)
     

Joe Biden eleito: o que esperar sobre a relação com o Brasil?

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
 (AP Photo/Eraldo Peres)
(AP Photo/Eraldo Peres)

Joe Biden será o 46º presidente dos Estados Unidos. O candidato do partido Democrata, que foi vice-presidente durante toda a gestão de Barack Obama, venceu de acordo com as projeções feitas por especialistas e agências. Por conta do sistema de votação, o resultado oficial, após apuradas todas as urnas, pode levar dias — e até semanas ou meses — ser divulgado.

Veja o que esperar de Biden sobre relação com o Brasil

A questão ambiental também deve ser um dos pontos centrais das relações entre os EUA sob o governo Biden e o Brasil de Jair Bolsonaro. No primeiro debate contra Trump, Biden fez críticas à política ambiental do republicano e as estendeu ao presidente brasileiro.

Leia também

Ao abordar os incêndios que devastaram parte da Costa Oeste dos EUA, Biden mencionou também as recentes queimadas na Amazônia e no Pantanal e afirmou que uma de suas propostas é trabalhar com países ao redor do mundo para atacar o aquecimento global.

"A floresta tropical no Brasil está sendo destruída", criticou o democrata, que prometeu se juntar a outros países e oferecer US$ 20 bilhões [R$ 108 bilhões, na cotação atual] para ajudar na preservação da região. "Parem de destruir a floresta e, se não fizerem isso, terão consequências econômicas significativas", completou, indicando possíveis sanções ao governo brasileiro.

Na ocasião, Bolsonaro classificou a declaração como lamentável. Aliado de Trump, o presidente não escondeu sua preferência pelo republicano durante a campanha e a apuração dos votos nos EUA.

Membros do Planalto, entretanto, pediram que Bolsonaro agisse com cautela para não correr o risco de prejudicar as relações entre os dois países se Biden fosse o vencedor.

Da FOLHAPRESS