Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.449,51
    +752,87 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

JOB vê queda de 3,3% na produção de açúcar do CS; exportação cai 4 mi t

·3 minuto de leitura
Plantação de cana em Ribeirão Preto

SÃO PAULO (Reuters) - A moagem de cana do centro-sul do Brasil foi estimada em 576,4 milhões de toneladas em 2021/22, queda de 4,8% na comparação com a temporada passada, por efeito do tempo seco, enquanto a produção de açúcar cairá menos (3,3%), com usinas reduzindo mais a fabricação de etanol, estimou nesta segunda-feira a JOB Economia e Planejamento.

"O clima na região centro-sul se mostrou no período Abril20-Março21 bem mais seco que o normal. Choveu 28,7% e 33,8% a menos que o normal no centro-sul e em São Paulo, respectivamente. Desta forma, estamos admitindo quebra de rendimento agrícola...", disse o sócio-diretor da JOB, Julio Maria Borges.

Segundo ele, o rendimento industrial previsto é menor que o da safra passada, porém ainda acima da média dos últimos anos.

"Em termos de produtos finais (ATR) a quebra de safra é de 8%", comentou, citando um volume total de 80,6 milhões de toneladas de Açúcar Total Recuperável.

Assim, a produção de açúcar do centro-sul do Brasil foi estimada em 37,2 milhões de toneladas em 2021/22, ante 38,47 milhões de toneladas na temporada passada.

"Quanto ao açúcar, assumimos que as usinas do Brasil vão resistir ao máximo reduzir sua produção em relação à safra passada. A quebra de safra prevista para o centro-sul deverá se concentrar no etanol", afirmou.

Segundo a consultor, o "mix" de produção para açúcar do centro-sul do Brasil aumentaria de 45,9% para 48,2%, com usinas travando vendas de grande parte da oferta antecipadamente, em condições mais vantajosas.

Como consequência do menor uso da matéria-prima para etanol ante a temporada passada, a produção do biocombustível a partir da cana foi vista em 24,5 bilhões de litros em 2021/22, recuo de quase 12%.

Já a produção de etanol de milho está projetada em 3,63 bilhões de litros 2021/22, versus 2,57 bilhões na temporada passada.

Considerando a produção do Nordeste, a fabricação de açúcar do país na safra 2021/22 somaria 40,4 milhões de toneladas, ante 41,7 milhões no ciclo anterior, enquanto no etanol o total fabricado no país (incluindo o produto de milho) recuaria para 30,4 bilhões de litros, versus 32,6 bilhões em 2020/21.

EXPORTAÇÃO

Com uma safra menor e menor rendimento industrial da cana em 2021/22 na região centro-sul, que deverá responder por mais de 90% da moagem do Brasil na temporada, a exportação brasileira de açúcar recuará cerca de 4 milhões de toneladas, para 29,90 milhões de toneladas.

"Isto devido à produção menor e estoques iniciais relativamente baixos, ao contrário da safra anterior 2020/21", comentou Borges.

Já as exportações de etanol deverão ser menores em 700 milhões de litros, a 2,2 bilhões de litros em 2021/22, devido ao menor volume de excedente exportável.

Já as importações seguirão inibidas pela falta de competitividade do produto importado, acrescentou.

O analista comentou ainda que os estoques de passagem em 31 de março de 2022 de açúcar e etanol deverão se mostrar "relativamente baixos".

(Por Roberto Samora)