Mercado fechado

Jilmar Tatto tem que caminhar com as próprias pernas, diz Lula

Ana Paula Ramos
·2 minutos de leitura
Ex-presidente Lula (Foto: Agência Brasil)
Ex-presidente Lula (Foto: Agência Brasil)

Durante entrevista nesta quarta-feira (7), ao El País, o ex-presidente Lula rebateu críticas de que estaria pouco empolgado com a candidatura de Jilmar Tatto (PT) à Prefeitura de São Paulo e afirmou que cabe ao candidato avançar na disputa.

“Ele tem que caminhar com as próprias pernas”, disse.

O ex-presidente não tem usado suas redes sociais para pedir voto para os candidatos, o que tem chamado atenção entre apoiadores.

Leia também

Lula explicou que a estratégia do PT foi lançar candidaturas no maior número possível de cidades com propaganda em televisão e rádio para “recuperar o prestígio".

"Por ser o maior partido de esquerda da América Latina, o PT paga o preço dos acertos e dos erros", disse.

E acrescentou: “As eleições estão começando agora”.

O petista afirmou também que o PT está disposto a fazer parte de uma frente ampla de forças políticas para combater o bolsonarismo apenas se os demais partidos assumirem o compromisso de “recuperarem os direitos dos trabalhadores”.

Ele citou que o partido já fez alianças com representantes da direita, como o então candidato Mário Covas (PSDB) no segundo turno da eleição ao governo paulista, em 1994.

“Não dá para formar um bloco partidário sem saber o que vai passar com o povo pobre. Só tem sentido se for para devolver ao povo trabalhar os direitos que tiraram dele”, reforçou.

Segundo Lula, o presidente Jair Bolsonaro deu cidadania à extrema direita no Brasil, mas ressaltou que esse movimento conservador é uma tendência mundial.

O ex-presidente reiterou ainda sua inocência em relação aos processos que enfrenta na Operação Lava Jato e disse que é vítima de perseguição política da força tarefa. “Quero que a Justiça, que eu acredito que é pra todos, diga que eu sou inocente e que Bolsonaro é um lacaio”.

"Nunca teve na história do Brasil um político mais perseguido do que eu, nem Luís Carlos Prestes”, afirmou o petista.