Mercado abrirá em 2 horas 1 minuto

JHSF trabalha na internacionalização do São Paulo Catarina Aeroporto Executivo

Adriana Mattos

Empresa informou que irá inaugurar duas unidades do Fasano em Nova York, nos Estados Unidos, até metade de 2020 O comando da JHSF Participações disse hoje que trabalha nesse momento na internacionalização do São Paulo Catarina Aeroporto Executivo, “de forma a tornar o portão de entrada de passageiros e investimentos no Brasil”, disse Thiago Alonso de Oliveira, diretor presidente da empresa.

O modelo de negócios é semelhante ao que existe em cidades como Nova York, Londres e Paris, que, após desenvolverem aeroportos dedicados exclusivamente à aviação de negócios, cresceram explorando o gargalo de capacidade dos aeroportos comerciais nas cidades.

“O aeroporto passou da fase pré-operacional para a fase operacional, com 50% de capacidade reservada a clientes hoje”, disse ele.

A empresa ainda informou que irá inaugurar duas unidades do Fasano em Nova York, nos Estados Unidos, até metade de 2020, disse o executivo.

Cerimônia de inauguração do aeroporto Catarina, voltado à aviação executiva

Governo do Estado de São Paulo

Trata-se do Fasano Fifth Avenue, em fase de “soft launch”, com apartamentos privados, e o Restaurante Fasano New York, na Park Avenue.

“O início das atividades está previsto para o primeiro semestre de 2020, sujeita a obtenção de licenças”, informou a empresa no balanço.

Resultados

A companhia divulgou ontem seus resultados do quarto trimestre de 2019 — o lucro líquido subiu quase três vezes, para R$ 211 milhões.

Oliveira, disse hoje, em teleconferência com analistas, que vem “entregando” as promessas de redução na alavancagem da companhia, com alongamento no prazo de pagamento de dívidas e redução nos valores de seus débitos contratados.

A empresa disse que a dívida líquida em dezembro de 2018 era de R$ 569 milhões e passou para R$ 254 milhões em dezembro de 2019. O prazo médio da dívida a vencer foi ampliado de 3,9 anos para 6,4 anos no intervalo.

A dívida líquida consolidada, encerrou 2019 em 1,1 vez o valor do lucro antes de juros impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado. A empresa não informou na teleconferência o índice sem ajuste.

Em novembro passado, houve um aumento de capital no âmbito de uma oferta restrita precificada em 13 de novembro de 2019, no montante de R$ 513 milhões. “Esse recurso fortaleceu o saldo de caixa ao final de 2019”, informa o balanço.

Em 6 de dezembro de 2019, a companhia emitiu novas debêntures, no montante de R$ 120 milhões, com remuneração de 100% do CDI e prazo total de 10 anos, que foi utilizada para lastro de Certificados de Recebíveis Imobiliários, que são mandatoriamente conversíveis em participação em empreendimento futuro da companhia localizado na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo.

A direção ainda disse a analistas hoje que “as vendas no fim do ano foram fortes e acima da média do mercado”, afirmou o diretor-presidente.

Sobre a operação do marketplace (shopping virtual), batizado CJ Fashion, o executivo afirmou que há lojas no marketplace com 10% a 12% das vendas vindo do site, mas afirmou que o negócio ainda não é lucrativo.

A respeito de expansões de empreendimentos, ele afirmou que a empresa começou neste início de ano a expandir a área de lojas para a área de estacionamento do Shopping Cidade Jardim. Do total de 23 mil metros quadrados de área, cerca de 16 mil serão nova “área comercial” do Shopping Cidade Jardim e outros 3 mil será para abertura do Hotel Fasano Cidade Jardim.