Mercado abrirá em 4 h 22 min
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,36
    +0,24 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.861,50
    +5,10 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    40.052,92
    -77,49 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    995,23
    -15,38 (-1,52%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.177,57
    +5,09 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,69 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.040,00
    +9,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0019 (-0,03%)
     

Jersey, o pequeno paraíso fiscal no Canal da Mancha que gerou uma disputa naval entre a França e o Reino Unido

·6 minuto de leitura
Jersey
Jersey tem população de 100 mil habitantes

O Canal da Mancha esta semana passou por uma das maiores tensões navais em décadas.

Por mais de dois dias, navios de guerra do Reino Unido e da França foram posicionados nas águas da ilha de Jersey, uma pequena dependência britânica a 22 quilômetros da Normandia.

A ilha, cuja posse em outros séculos foi objeto de invasões, guerras e disputas, tornou-se agora o principal foco das tensões pós-Brexit entre Londres e a União Europeia (UE).

A nova crise começou no início da semana passada, quando uma frota de mais de 60 navios de pesca franceses navegou com destino a um porto da capital da ilha, Saint Helier.

Foi assim que os pescadores iniciaram um protesto sobre as novas exigências e limitações para seu comércio que entraram em vigor neste mês, em decorrência da saída dos britânicos do bloco europeu.

Sob um acordo com a UE, os donos de barcos franceses devem comprovar um histórico de pesca na área para receber uma licença a fim de operar nas águas de Jersey, mas eles dizem que outras exigências foram adicionadas sem aviso prévio e agora afetam seu trabalho.

O governo francês questionou a medida britânica e saiu em defesa de seus cidadãos.

Logo após o início do protesto, a França ameaçou cortar a eletricidade da ilha, que vem de território francês, levando a um dos maiores confrontos diplomáticos dos últimos tempos entre Londres e Paris.

A tensão chegou a tal ponto que dois navios da Marinha Real britânica foram enviados para a área, ao que a França também respondeu com o envio de dois outros navios de patrulha.

Finalmente, na noite de quinta-feira (6/5), após várias negociações, os barcos pesqueiros franceses deixaram o porto de Jersey, encerrando assim o confronto com Londres.

Pelo menos, "por enquanto".

"Estamos satisfeitos que os barcos de pesca franceses tenham deixado os arredores de Jersey. Como a situação está resolvida por enquanto, os navios de patrulha marítima da Marinha Real vão se preparar para retornar ao porto no Reino Unido", anunciou o governo britânico.

No entanto, especialistas consultados pela BBC garantem que a situação está longe de ser resolvida, visto que suas causas (as relações econômicas e políticas entre os membros da UE e do Reino Unido na era pós-Brexit) continuam a ser uma fonte de tensão entre as partes.

E Jersey, localizada entre a França e o Reino Unido, pode continuar a ser um gatilho para novos confrontos.

Mas por que esta ilha é tão relevante para Londres?

Uma ilha peculiar

Jersey é um lugar geográfico, histórico e politicamente peculiar: é a maior das Ilhas do Canal da Mancha e está tão perto da França que culturalmente é considerada mais próxima deste país do que do Reino Unido.

No entanto, é politicamente dependente de Londres: suas relações exteriores, defesa e "boa governança" são de responsabilidade do Reino Unido, embora não seja oficialmente parte dele.

De fato, a mistura entre as duas culturas é uma constante por lá.

A maioria de seus habitantes nativos fala inglês e uma versão peculiar do francês (um subdialeto do normando); dirige-se à esquerda, como no Reino Unido, mas se cozinham pratos típicos da Normandia; o críquete inglês é um esporte popular; mas muitos dos nomes de cidades e vilarejos são em francês. A moeda oficial é a britânica, a libra esterlina.

botes
Pescadores franceses protestaram contra os novos regulamentos de pesca

A ilha, com pouco mais de 100 mil habitantes, nunca fez parte da União Europeia ou do Espaço Econômico Europeu e é considerada uma monarquia constitucional e democracia parlamentar autônoma, com poder de autodeterminação e sistemas financeiros, jurídicos e judiciários próprios.

No entanto, sua defesa é de responsabilidade constitucional do Reino Unido. A ilha também não tem poder legal para nomear diplomatas e a Rainha Elizabeth 2ª é considerada sua monarca (e chefe de Estado).

Esse estranho status político tem a ver com sua história e remonta aos primórdios do primeiro milênio depois de Cristo.

Uma história entre duas nações

Por volta do ano 996, a ilha, inicialmente um enclave romano, foi anexada ao Ducado da Normandia, mas seu status e destino mudaram devido a um dos eventos que mais impactaram na história da Europa: a Batalha de Hastings.

Em outubro de 1066, o duque William da Normandia, conhecido como William, o Conquistador, invadiu a Inglaterra e derrotou o rei Harold 2º, espalhando o poder normando para o norte do Canal da Mancha.

Batalha de Hastings
Batalha de Hastings foi um dos eventos históricos mais importantes da história antiga da Europa

A partir de então, Jersey e Inglaterra foram unidas sob a mesma monarquia.

Após a divisão do Ducado da Normandia em 1204, as ilhas ficaram sob a posse dos ingleses, e em sucessivos episódios na história a França tentou sem sucesso recuperá-las.

Durante a Idade Média, de fato, a Inglaterra perdeu muitas de suas possessões feudais no continente europeu, mas conseguiu manter suas ilhas no Canal da Mancha.

Jersey
Ilha foi ocupada pela Alemanha nazista durante a 2ª Guerra Mundial

O Reino Unido, entretanto, perdeu sua posse por alguns anos: entre 1º de julho de 1940 e 9 de maio de 1945, a ilha foi ocupada pelos nazistas, que chegaram a criar campos de concentração para onde transferiam prisioneiros soviéticos a fim de realizar trabalhos forçados.

Na verdade, a ilha passou por uma fome intensa após os desembarques da Normandia, depois que os Aliados assumiram o controle da região e cortaram o abastecimento da França.

Isso porque a economia e a vida de Jersey têm estado estrategicamente ligadas à França, de onde não só obtém sua eletricidade por cabos submarinos, mas com quem mantêm seu maior intercâmbio econômico.

A ilha dos escândalos

Apesar de seu pequeno tamanho e diminuta população, Jersey teve um impacto notável na vida política, econômica e midiática, não apenas da Europa.

Da pequena ilha, surgiu uma raça de vacas (jersey), comercializadas em todo o mundo por seu leite rico em gordura, uma batata (jersey royal), que também conquistou o paladar mundial, e um tipo de malha que, produzida por sua indústria têxtil, se tornou tão famosa a ponto de batizar uma peça de roupa (em alguns países de língua espanhola, a vestimenta ainda é chamada de jersey; em outros, suéter).

Sua importância estratégica para a Inglaterra foi inclusive lembrada na conquista da América do Norte: em sua homenagem, os ingleses batizaram uma de suas 13 colônias: Nova Jersey.

A ilha também ficou conhecida por outros motivos menos curiosos.

Há uma década, estava nas manchetes de quase todo o mundo quando foi descoberto o chamado caso Haut de la Garenne, uma série de casos de abuso e pedofilia em um orfanato entre 1960 e 1980.

Libra esterlina
Ilha foi designada paraíso fiscal

A economia da ilha e o seu sistema financeiro também lhe garantiu má reputação durante décadas: é considerada um dos principais paraísos fiscais da Europa.

A ONG Tax Justice Network, que rastreia paraísos fiscais corporativos em todo o mundo, classificou Jersey em sua lista de 2019 como uma das mais "agressivas" do mundo.

O governo local negou por anos que a ilha seja um paraíso fiscal e garante que seus negócios são ali conduzidos "totalmente de acordo" com os padrões estabelecidos por "órgãos globais independentes".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!