Mercado abrirá em 2 h 29 min
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,31
    +1,54 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.853,20
    -12,20 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    29.761,40
    +452,31 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    661,66
    +5,84 (+0,89%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.527,62
    +43,27 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.797,25
    +26,25 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1420
    -0,0302 (-0,58%)
     

Jejum intermitente não é melhor do que restrição de calorias, diz estudo

·3 min de leitura

Você já ouviu falar de jejum intermitente? Essa técnica, que alega-se ajudar na perda de peso e melhorias na saúde, consiste em restringir não exatamente a sua dieta, mas sim os horários em que você come: nas modalidades iniciais, o horário de alimentação é restringido em 8 horas, por exemplo, mas pode chegar a 12, 16 ou até mesmo 24 horas, com apenas uma refeição por dia, em jejuns mais extremos.

Alguns estudos, no entanto, vêm tentando investigar se há mesmo grandes benefícios nesse método de dieta, e, embora já existam algumas pesquisas favoráveis, aponta-se que as evidências encontradas são consideradas de baixa qualidade. Um estudo recente, publicado na última quinta-feira (21), acompanhou pessoas que fizeram jejum e que não fizeram jejum por 12 meses, concluindo que a prática não é mais eficiente do que restrições puramente calóricas.

Estudo recente aponta que o jejum intermitente não é mais eficiente do que restrições calóricas por si só (Imagem: Puhimec/Envato Elements)
Estudo recente aponta que o jejum intermitente não é mais eficiente do que restrições calóricas por si só (Imagem: Puhimec/Envato Elements)

Detalhes do estudo

Para realizar a pesquisa, os cientistas fizeram uma intervenção culturalmente sensível, colocando restrições calóricas e atenção à qualidade da dieta em dois grupos, um que tinha uma janela de apenas 8 horas para se alimentar (das 8h da manhã às 16h) e um que não tinha restrições de tempo. Foram analisados 71 homens e 68 mulheres, que reduziram o consumo de calorias para 1.500 a 1.800 kcal no grupo masculino e 1.200 a 1.500 no grupo feminino, cerca de três quartos da média base consumida.

As calorias foram divididas em 40 a 55 por cento de carboidratos, 15 a 20 por cento de proteínas e 20 a 30 por cento de gordura — os participantes foram encorajados a pesar os alimentos para garantir que estivessem consumindo as proporções corretas.

Além disso, houve acompanhamento de profissionais de saúde trainados, informações dietárias em forma de livretos com dicas acerca de porções e modelos de menu a serem seguidos. Eles tinham, também, de registrar o consumo alimentar com anotações, fotos e um app desenvolvido especialmente para o estudo.

Restrições de horário para a alimentação podem ser uma estratégia para algumas pessoas, mas mais estudos são necessários para determinar quem são elas (Imagem: Lisa Gielis/Pixabay)
Restrições de horário para a alimentação podem ser uma estratégia para algumas pessoas, mas mais estudos são necessários para determinar quem são elas (Imagem: Lisa Gielis/Pixabay)

Os resultados mostraram um sucesso similar nos dois grupos estudados, sendo que o grupo que jejuou perdeu 8 quilos, em média, e o grupo não-jejuante perdeu 6,3 quilos. Segundo os pesquisadores, esse resultado não é estatisticamente significativo, mas demonstra que o jejum intermitente não é melhor do que restrição de calorias, mas também não é pior.

Especialistas que acompanharam o estudo, no entanto, lembram que os dietários pelo mundo dificilmente tem o mesmo acompanhamento de especialistas e uma equipe acompanhando a perda de peso, checando o progresso e adesão ao programa. O estudo, aliás, foi feito na China, país onde o costume de fazer pequenos lanches ao longo do dia não é comum como no ocidente.

Enquanto o conceito do jejum intermitente evolui, mais descobertas poderão seguir sendo feitas. Especialistas apontam que estudos futuros poderão determinar a duração apropriada da prática para cada paciente, quem poderá se beneficiar mais dela, como implementar essa restrição temporal e quais os potenciais mecanismos para isso — bem como os efeitos do jejum no início do dia em comparação com o jejum no final do dia, por exemplo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos