Mercado abrirá em 23 mins
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,20
    +2,00 (+2,56%)
     
  • OURO

    1.774,30
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    16.897,92
    +389,58 (+2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,97
    +12,25 (+3,15%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.555,97
    +43,97 (+0,59%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.555,50
    +30,75 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4718
    +0,0152 (+0,28%)
     

Jeff Bezos questiona influência da China no Twitter após compra por Musk

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Segundo homem mais rico do planeta, com uma fortuna estimada em cerca de US$ 171 bilhões (R$ 834,7 bilhões), o fundador da Amazon, Jeff Bezos, fez uma postagem no Twitter nesta segunda-feira (25) em que questiona qual poderá ser a influência do governo chinês na rede social após a venda da empresa para seu rival, o dono da Tesla e homem mais rico do mundo, Elon Musk.

"O governo chinês acabou de ganhar um pouco de influência na praça pública?", questionou Bezos em um tuíte, em referência à promessa de Musk de transformar o Twitter na "praça pública do mundo".

O CEO da fabricante de carros elétricos Tesla e novo controlador do Twitter acertou a compra da rede social por cerca de US$ 44 bilhões (R$ 214,7 bilhões) nesta segunda (25). O patrimônio estimado do bilionário é de aproximadamente US$ 219 bilhões (R$ 1,07 trilhão).

Na publicação nesta segunda na rede social, Bezos comenta uma postagem feita pelo jornalista do The New York Times Mike Forsythe, que aponta para a relação que existiria entre a fabricante de carros elétricos de Musk e o mercado chinês.

O repórter americano destaca que a China foi o segundo maior mercado da Tesla em 2021 e que fabricantes de baterias do país são um dos principais fornecedores da montadora. Essa proximidade entre Musk e China poderia mudar a relação do país com o Twitter, banido pelo governo em 2009 no território asiático.

Especialistas avaliam que uma investida de Musk para flexibilizar as políticas de moderação de conteúdo do Twitter pode fazer com que a rede social se torne a favorita de políticos e influenciadores que vivem de espalhar desinformação e fazer ataques.

CHUMBO TROCADO

O fundador da Amazon e o dono da Tesla alimentam um histórico de provocações e trocas de farpas nas redes sociais durante os últimos anos.

Em outubro do ano passado, Musk respondeu com o emoji de uma medalha de prata (em referência a segundo lugar) uma postagem feita por Bezos no Twitter.

Na publicação, Bezos replicava a capa de uma reportagem de 1999 que desacreditava o potencial do empresário e do negócio que a Amazon viria a se tornar anos depois.

A provocação não foi a primeira vez em que o dono da Tesla usou emojis para cutucar o fundador da Amazon.

Musk já usou um emoji de gato (em inglês, "cat") para chamar Bezos de plagiador (em inglês, "copycat") quando a Amazon entrou no setor de satélites de internet e quando a empresa comprou a companhia de veículos autônomos Zoox.

Em agosto do ano passado, a Blue Origin, empresa de turismo espacial de Bezos, prestou uma queixa junto ao governo americano por um contrato firmado pela Nasa com a Tesla para a construção de uma sonda lunar.