Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.031,78
    +108,28 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Jeff Bezos é acusado por racismo e jornada exaustiva por doméstica

Ex-funcionária de Jeff Bezos entrou na justiça (Getty Image)
Ex-funcionária de Jeff Bezos entrou na justiça (Getty Image)
  • Mulher que trabalhou para Jeff Bezos diz que sofreu racismo;

  • Trabalhadora ainda disse que enfrentava longas jornadas de trabalho;

  • Ação foi apresentada à corte de Seattle na última terça-feira (1).

O bilionário Jeff Bezos, fundador da Amazon, está sendo processado por uma ex-empregada doméstica. A trabalhadora alega que sofria racismo da equipe do patrão por ser hispânica. Além disso, ela diz que era submetida a longas jornadas de trabalho, sem condições sanitárias adequadas e sem pausas para descanso. As informações são do Extra.

De acordo com uma ação aberta na corte de Seattle, na última terça-feira (1), Mercedes Wedaa, que trabalhou para a equipe de Bezos em setembro de 2019, supervisionava um grupo de cinco a seis empregadas domésticas. A funcionária conta que cumpria jornadas de 10 a 14 horas por dia.

"Nós investigamos essas queixas e elas eram sem fundamentos, vamos nos defender contra essas acusações", disse, por email, Harry Korrell, advogado que representa Bezos e as outras pessoas acusadas por Wedaa.

O processo ainda sugere que dos funcionários de Bezos responsável por gerenciar a equipe de empregadas domésticas se tornou "agressivo e abusivo" com Wedaa, tratando ela e outras funcionárias de origem hispânica de maneira diferente em relação aos trabalhadores brancos.

A ação afirma ainda que as empregadas precisavam comer na lavanderia e eram proibidas de usar o banheiro mais próximo, que ficava na sala de segurança. As trabalhadoras precisavam sair por uma janela para ter acesso a um outro banheiro, segundo a informações apresentadas à Justiça.

"As leis trabalhistas determinam que os trabalhadores precisam ser pagos pelos serviços que prestam e precisam ter condições de trabalho seguras e saudáveis", afirmou Patrick McGuigan, advogado de Wedaa, que pede o pagamento retroativo de salários e benefícios, além de indenização por danos morais.