Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    17.862,44
    +264,18 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Jeep Renegade perde versão PCD e fica R$ 10 mil mais caro para este público

br.info@motor1.com (Nicolas Tavares)
·4 minuto de leitura
Jeep Renegade PCD
Jeep Renegade PCD

Variante STD ocupará o seu lugar, mas não recebe a isenção do ICMS por estar acima do limite de R$ 70 mil

A mudança na lei no estado de São Paulo que aumentou o prazo de permanência do carro para pessoas com deficiência (PCD) trouxe uma alteração que vai afetar as fabricantes diretamente: a exigência de oferecer estas versões específicas para o público geral. E já podemos ver um reflexo, com o fim do Jeep Renegade PCD, confirmado pela fabricante em um comunicado para todos os concessionários.

Uma imagem com parte do comunicado circula pelas redes sociais e revela que a versão do Jeep Renegade para PCD, batizada internamente como 10x, não será mais vendida a partir de 1º de novembro. A marca irá atender todos os pedidos que forem inseridos no sistema até 31 de outubro, prometendo faturar os veículos entre cinco a seis semanas.

external_image
external_image

A versão 10x era a única abaixo do limite de R$ 70 mil, comercializada por R$ 69.999. Sem esta configuração, os clientes do utilitário não terão acesso à isenção de ICMS (agora de 18%), tendo apenas a isenção do IPI. No seu lugar, a marca irá oferecer o Renegade STD 1.8 automático, versão que já tem o papel de opção de entrada da linha e que custa R$ 81.590. Ela traz itens que não existiam na variante específica, como rack de teto, alças de teto traseiras, tampão do porta-malas e luz de leitura traseira.

No entanto, a diferença irá pesar bastante no bolso do cliente. Com a redução do ICMS e a isenção do IPI, o Renegade PCD custava R$ 54.662. Agora, o SUV compacto terá um preço de R$ 64.684 já com a isenção do IPI e mais um desconto de 12% dado pela Jeep. Isto, obviamente, para pagamento à vista. Na prática, o cliente irá pagar R$ 10.022 a mais pelo SUV.

No site da marca, o Renegade PCD conta com um financiamento em que é necessário pagar R$ 27.331 (50% do valor do carro) de entrada e o restante em 47 parcelas de R$ 562,06 e uma última parcela de R$ 14.112,09. No caso do Renegade STD, a entrada sobe para R$ 34.547,50 (50%), mais 47 parcelas de R$ 737,74 e parcela final de R$ 17.720,34. O comunicado destaca a diferença de R$ 106 a mais nas parcelas, sem considerar o valor mais caro de entrada e de saldo da última parcela.

Em nota, a Fiat-Chrysler explica as vendas foram suspensas sem previsão de retorno:

"A comercialização da versão 1.8 AT do Jeep Renegade, direcionada exclusivamente ao público PCD, foi suspensa, sem data determinada de volta, devido a alguns fatores importantes: a falta de revisão no valor do teto para isenção de ICMS, que está desde meados de 2007 em R$ 70 mil reais, enquanto os custos desde então aumentaram substancialmente; a degradação do cenário cambial ao longo dos últimos meses, que pressionou os custos e fornecedores; além do decreto 65.259 do estado de São Paulo, de 20 de outubro de 2020, que alterou consideravelmente as regras de comercialização nessa modalidade."

A mudança deve afetar diretamente o Jeep Renegade no mercado, por ficar muito mais caro do que um rival que ainda tenha a isenção de ICMS. O modelo teve 77,87% de seus emplacamentos em setembro direcionados para as vendas diretas, o que significa que 4.476 unidades das 5.748 emplacadas no último mês foram nesta modalidade. Por outro lado, existe a chance de que mais marcas sigam a decisão da Jeep e eliminem a variante para PCD.

As mudanças para PCD:

Esta é apenas uma das alterações nas leis que irão afetar as vendas para PCD daqui para frente. Nos últimos meses, os governos federal e do estado de São Paulo decidiram limitar a isenção do IPVA em São Paulo somente para veículos adaptados; reduzir o benefício do ICMS de 21% para 18% e aumentar o tempo de permanência para quatro anos após a compra de um carro para PCD com menos impostos; e excluir as deficiências leves da lista de beneficiados. Com regras mais rígidas e o limite de R$ 70 mil cada vez mais inviável para as fabricantes, a tendência é que as versões específicas para pessoas com deficiência desapareçam das lojas.