Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.037,08
    +123,42 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Jeep deixará de ser vendido na China

Jeep: marca não conquistou o coração dos chineses (ERIC PIERMONT/AFP via Getty Images)
Jeep: marca não conquistou o coração dos chineses (ERIC PIERMONT/AFP via Getty Images)
  • Notícia vem após fracos resultados no país asiático;

  • Notícia foi dada pela Stellantis, empresa que produzia e distribuía a marca no país;

  • Produção era produto de uma joint venture.

No Brasil, os veículos da montadora Jeep são icônicos e facilmente distinguíveis na rua e objetos de produções da cultura pop. Já na China, a marca não conseguiu conquistar o coração dos consumidores. Nesta segunda-feira (31), a Stellantis anunciou que não irá mais vender o carro no país asiático.

A empresa era responsável pela fabricação e distribuição da marca Jeep no país, através de uma joint venture com a chinesa Guangzhou Automobile Group, e a GAC Fiat Chrysler Automobiles. O pedido de falência foi autorizado pelos acionistas da empresa.

A Stellantis afirmou que irá continuar a oferecer serviços para os clientes da Jeep na China, assim como possíveis futuros clientes que importem o veículo. Além da Jeep, a empresa também realizava a produção de alguns modelos de picapes Ram e da marca Peugeot no país do extremo oriente.

No início do ano a empresa havia afirmado que queria aumentar sua participação na joint venture, para se tornar acionista majoritária da operação. No entanto, em julho o discurso mudou, falando sobre o possível encerramento da parceria comercial devido à falta de progresso em suas discussões com a GAC para adquirir a participação acionária.

O fim da produção de automóveis da Jeep no país foi um baque para os resultados financeiros da Stellantis. Segundo a empresa, os resultados financeiros do primeiro semestre deste ano ficaram bastante impactados com o fracasso nas vendas no país, que eram cada vez menores. Sem escapatória, a empresa se viu obrigada a declarar falência à parceria comercial.