Mercado fechará em 1 h 1 min
  • BOVESPA

    119.666,04
    -1.575,59 (-1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.585,72
    -872,30 (-1,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,97
    +0,61 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.841,90
    +12,00 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    37.217,01
    +775,27 (+2,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    737,39
    +22,19 (+3,10%)
     
  • S&P500

    3.799,45
    +31,20 (+0,83%)
     
  • DOW JONES

    30.979,70
    +165,44 (+0,54%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.943,00
    +140,75 (+1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4597
    +0,0644 (+1,01%)
     

JBS USA diz que abate está perto do normal na América do Norte

Isis Almeida
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A JBS diz que suas taxas de abate na América do Norte permanecem perto do normal, mesmo depois de a maior processadora de carne do mundo ter enviado milhares de funcionários para casa em resposta à segunda onda de Covid-19 nos Estados Unidos.

O ritmo de abate da JBS USA é semelhante em suas instalações nos EUA e no Canadá, disse o diretor-presidente da unidade da empresa na América do Norte, André Nogueira, em entrevista na sexta-feira. O maior impacto do menor número de trabalhadores é sentido no produto final, pois algumas carnes não têm sido desossadas.

O setor de carnes tenta evitar os problemas que fecharam frigoríficos e deixaram prateleiras de supermercados vazias, depois que milhares de trabalhadores na América do Norte se contagiaram com o coronavírus no início do ano. A JBS colocou mais de 5 mil de seus funcionários mais vulneráveis em licença remunerada.

Do ponto de vista operacional, Nogueira disse estar menos preocupado do que há um mês e meio. O executivo afirmou que a empresa contratou mais pessoas, mas não foi possível compensar os funcionários que foram colocados em licença.

Com menos trabalhadores, cortes mais baratos e menos populares, como língua, agora são convertidos em subprodutos como banha e sebo.

A JBS USA tem vendido mais pernil com osso do que no passado, e a empresa também reduziu a oferta de cortes em que grande parte da gordura já foi removida, o que facilita o manuseio por varejistas.

A unidade americana da JBS contratou 6 mil trabalhadores nos EUA nos últimos quatro meses, mas esse número não foi suficiente para compensar os que saíram da empresa ou estão em licença remunerada, disse Nogueira. É comum que empresas de carne tenham alto absenteísmo, mas os níveis aumentaram na pandemia.

O impacto de menos trabalhadores é mais perceptível nos cortes de carne suína e bovina, enquanto para o frango não houve muita mudança, disse. A Pilgrim’s Pride, segunda maior produtora de frango dos Estados Unidos, é controlada pela JBS. Priorizar o abate também ajudará a evitar uma repetição dos problemas no início do ano, quando produtores foram obrigados a sacrificar animais, disse.

A JBS implementou uma série de medidas de segurança desde que a pandemia abalou os mercados de carne, tendo realizado mais de 20 mil testes de vigilância, além dos testes oferecidos a trabalhadores com sintomas. Isso tem ajudado a manter os casos sob controle, disse Nogueira.

Segundo o executivo, as pessoas agora conhecem melhor a doença e os sintomas, acrescentando que os funcionários ligam para a fábrica quando se sentem doentes e são encaminhados para uma área separada fora das instalações para fazer o teste.

A JBS também comprou freezers em algumas localidades e os disponibilizou aos governos locais, caso desejem armazenar vacinas, disse Nogueira. Existe a preocupação de que algumas áreas rurais nos EUA não tenham instalações para armazenar vacinas, que precisam ser mantidas em temperaturas baixíssimas.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.