Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.225,25
    -877,95 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

JBS pode criar empresa independente para proteína vegetal

Tatiana Freitas
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A demanda por hambúrgueres de carne “fake” cresce tão rápido que a JBS considera criar uma empresa global focada exclusivamente em produtos à base de plantas.

Proteína animal será um produto premium no futuro, e as pessoas terão que recorrer a alternativas de origem vegetal, que serão mais baratas, disse o diretor-presidente da JBS, Gilberto Tomazoni, em entrevista à Bloomberg. Além disso, a população mundial está crescendo e deve somar 10 bilhões em 2050. Não será possível produzir a quantidade de carne necessária para satisfazer as necessidades mundiais de proteína.

A linha “plant-based nos ajudará a reduzir esse gap de proteínas com produtos mais acessíveis em comparação com a proteína animal, que será mais premium”, disse Tomazoni. “Vemos plant-based como um business independente no futuro.”

A JBS é apenas uma das muitas empresas tradicionais de alimentos e em expansão que apostam em substitutos da carne em meio ao maior interesse por proteínas vegetais. A demanda de consumidores disparou depois que startups como Beyond Meat e Impossible Foods popularizaram hambúrgueres vegetarianos que imitam a carne bovina. Empresas como McDonald’s e Starbucks incluíram produtos alternativos à carne em seus menus.

A JBS, assim como a rival Tyson Foods, entrou no mercado de carne à base de plantas em 2019, e equipes regionais ao redor do mundo desenvolveram produtos de acordo com as demandas locais. Ao dar autonomia aos times regionais, o objetivo da JBS era ganhar agilidade no lançamento de produtos. “Não queríamos perder o timing”, disse Tomazoni. A nova empresa imaginada pelo executivo reuniria todos esses negócios regionais em um empreendimento global.

A empresa já tem presença considerável, com cerca de 57% do mercado de hambúrgueres vegetais no Brasil e um portfólio de 11 produtos sob a marca Incrível, da Seara. Na Europa, a subsidiária Moy Park fornece hambúrgueres de frango fake para restaurantes e redes de fast-food. Nos EUA, por meio de sua subsidiária Planterra, a empresa também tem 10 produtos à base de plantas em mais de 3 mil lojas sob a marca OZO, onde as vendas aumentaram 300% no ano passado.

Ainda será um desafio competir com empresas como a Beyond Meat, que criou a onda da carne fake. Investidores têm redobrado a aposta em startups de proteínas alternativas, que levantaram um recorde de US$ 2,4 bilhões em financiamento em 2020, segundo a empresa de pesquisa de mercado CB Insights.

“Temos a base para crescer nesse mercado: capacidade de inovação, investimentos em pesquisa, acordos com empresas globais para fornecimento de ingredientes, presença no varejo. Estamos muito entusiasmados com o que podemos fazer”, disse Tomazoni.

Por enquanto, o foco da JBS é desenvolver produtos e buscar entender melhor o mercado, disse ele. Embora ainda não esteja claro o potencial de crescimento do consumo de carne vegetal, uma coisa parece certa: não é apenas um nicho de mercado. A crescente classe média na Ásia e na África quer incluir cada vez mais proteínas em suas dietas. A produção de proteínas precisa aumentar 70% nos próximos 30 anos para atender à demanda, disse Tomazoni, citando números da ONU.

“Esta é uma corrida de longo prazo”, disse. “Os consumidores terão mais opções.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.