Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.219,29
    -736,06 (-2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Correção: JBS começa a reabrir plantas afetadas por hackers

·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- JBS SA está começando a reabrir, pelo menos parcialmente, a maioria das fábricas de carne desativadas na América do Norte e na Austrália depois que um ataque cibernético forçou o maior produtor de carne do mundo a interromper as operações.

A gigante brasileira disse na noite de terça-feira que havia feito “avanços significativos” para resolver o ataque e teria a “grande maioria” de suas fábricas em operação até quarta-feira. Um segundo turno em suas instalações de Greeley, Colorado, uma das maiores fábricas de carne bovina dos EUA, foi acionado para um dia normal de produção, enquanto as fábricas no Texas, Nebraska e Wisconsin estavam retomando as operações parcialmente, segundo os posts do sindicato da categoria no Facebook.

Na quinta-feira, uma fábrica de Omaha retomará o trabalho, enquanto outra na Pensilvânia voltará ao status normal, disseram os líderes sindicais. A JBS disse que sua unidade canadense de carne bovina em Alberta, uma das maiores do país, retomou a produção. Os trabalhadores da fábrica de processamento de carne de Longford, na Austrália, foram avisados de que as operações serão retomadas na sexta-feira, de acordo com um porta-voz do Sindicato dos Empregados da Indústria de Carne na Tasmânia.

O ataque cibernético de domingo forçou a JBS a fechar todas as suas fábricas de carne bovina nos Estados Unidos - responsável por quase um quarto do abastecimento americano - e desacelerar a produção de carne suína e de aves. As operações de abate em toda a Austrália foram interrompidas e pelo menos uma planta canadense foi desativada. A JBS, que possui instalações em 20 países, também é dona da Pilgrim’s Pride Corp., segunda maior produtora de frango dos Estados Unidos. A extensão das interrupções pode nunca ser conhecida, já que a JBS não detalhou o impacto.

O ataque e as paralisações que se seguiram abalaram os mercados agrícolas e levantaram preocupações sobre a segurança alimentar, à medida que os hackers visam cada vez mais a infraestrutura crítica.

“Nossos sistemas estão voltando a ficar online e não estamos poupando recursos para combater essa ameaça”, disse o CEO da JBS USA André Nogueira na terça-feira em um comunicado.

Não está claro qual será o impacto do último ataque sobre os preços da carne. Os varejistas nem sempre gostam de aumentar os preços para os consumidores e podem tentar resistir, de acordo com Michael Nepveux, economista da American Farm Bureau Federation. “O tempo que vai durar terá um impacto sobre o nível em que os consumidores começarão a ver algo nos supermercados”, disse ele em entrevista por telefone.

Compradores de alimentos temem que as interrupções do ataque da JBS agravem as questões já desafiadoras na indústria de carnes, onde os preços já estão altos.

“Isso apenas adiciona mais lenha à fogueira”, disse Anne Hurtado, uma compradora de Chicago da Amigos Meat & Poultry que teme que seus pedidos de produtos JBS para esta semana não sejam enviados no prazo. “Vimos muita inflação na indústria de carnes no mês passado. A demanda tem sido alta, as exportações estão altas. ”

Os preços da carne bovina no atacado fora do mercado de carne em Nova York subiram até 2% em relação à sexta-feira, disse Kevin Lindgren, diretor de merchandising da Alimentos Especiais Baldor.

“Nada maluco ainda”, disse Lindgren, embora espere que os preços subam 10% em uma semana.

O ataque da JBS está empurrando o sistema americano de produção de carne barata de volta aos holofotes.

O setor é dominado por um punhado de titãs - Tyson Foods Inc., JBS e Cargill Inc. - que controlam cerca de dois terços da carne bovina da América. Derrubar até mesmo algumas fábricas pode interromper o fornecimento, como visto no ano passado, quando os surtos de Covid-19 paralisaram fábricas e provocaram escassez de carne em todo o país. O setor está tão concentrado que a paralisação das fábricas da JBS impediu o governo dos Estados Unidos de liberar nesta terça-feira alguns dados chave de preços de carne dos quais os mercados agrícolas dependem diariamente.

“Ataques como este destacam as vulnerabilidades na segurança da cadeia de abastecimento alimentar de nosso país e ressaltam a importância de diversificar a capacidade de processamento de carne”, disse o senador norte-americano John Thune, de Dakota do Sul, o segundo republicano mais poderoso do Senado.

Um notório grupo de hackers ligado à Rússia está por trás do ataque à JBS, segundo quatro pessoas familiarizadas com a campanha que não foram autorizadas a falar publicamente sobre o assunto. O cybergang atende pelo nome de REvil ou Sodinokibi.

Rússia diz não ter informação sobre o ciberataque, mas está em contato diplomático com o governo dos EUA, segundo o porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov. As questões do crime cibernético estarão na agenda de uma cúpula entre os presidentes Joe Biden e Vladimir Putin em 16 de junho, ele disse.

Houve mais de 40 ataques de ransomware relatados publicamente contra empresas de alimentos desde maio de 2020, disse Allan Liska, arquiteto de segurança sênior da empresa de análise de segurança cibernética Recorded Future.

Título em inglês:JBS Starts to Reopen Most Meat Plants Sidelined by Cyberattack

(Corrige grafia de nome no nono parágrafo)

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos