Mercado abrirá em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,75
    +0,31 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.774,90
    +9,20 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    62.418,70
    +131,61 (+0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.458,42
    +6,79 (+0,47%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.715,64
    +305,89 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    29.185,25
    +159,79 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.286,50
    -4,00 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4119
    +0,0204 (+0,32%)
     

Jato comercial abastecido com óleo de cozinha levanta voo pela primeira vez

·2 minuto de leitura

A Airbus e a British Airways realizaram um procedimento que pode mudar para sempre os rumos da aviação comercial. Na semana passada, as empresas fizeram um voo de teste entre Londres, na Inglaterra, e Glasgow, na Escócia, com um A320neo abastecido com óleo de cozinha reciclado. Foi a primeira vez na história que um avião comercial foi abastecido com esse tipo de material.

Segundo a Airbus, essa iniciativa tem como foco a coleta de dados para verificar qual combustível pode ser utilizado em rotas curtas e que sejam menos poluentes. No voo da British Airways, o resultado foi incrível: redução de 62% na emissão de dióxido de carbono quando comparado com a mesma rota de uma aeronave abastecida com querosene de aviação e com aviões mais antigos, já que o A320neo é de uma linhagem mais moderna da fabricante europeia.

“Este voo ofereceu uma demonstração prática do progresso que estamos fazendo em nossa jornada de redução de carbono. Trabalhando junto com nossos parceiros da indústria, alcançamos uma melhoria de 62% nas reduções de emissões em comparação a uma década atrás. Isso marca um progresso real em nossos esforços para descarbonizar e mostra nossa missão de continuar inovando, trabalhando com governos, indústria, e acelerando a adoção de novas soluções para reduzir a emissão de carbono", disse Sean Doyle, CEO da British Airways, ao The Guardian.

(Imagem: Divulgação/Airbus)
(Imagem: Divulgação/Airbus)

Ainda segundo a companhia aérea, essa diminuição latente de emissões pode determinar uma nova tendência para o mercado. A ideia é que esse tipo de material possa ser utilizado em rotas curtas, como a de Londres-Glasgow, assim como pensamos nos carros elétricos para o uso urbano.

Vale lembrar que a indústria aeronáutica está avaliando o uso de outras formas de energia para os aviões, como motores elétricos e movidos a hidrogênio.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos