Mercado abrirá em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,79
    +0,15 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.782,90
    +13,90 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    32.484,94
    -1.592,56 (-4,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    794,03
    -145,92 (-15,52%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.024,68
    +7,21 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.100,25
    +65,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0538
    +0,0177 (+0,29%)
     

Jards Macalé lança shows on-line com releituras de seus sucessos

·2 minuto de leitura

RIO — Jards Macalé é um cantor e compositor que está sempre a “78 por segundo rotações”. Inventivo, intrépido e altamente produtivo aos 77 anos, ele acaba de lançar o projeto “Jards Macalé em seis rotações”. Trata-se de uma série de três espetáculos musicais, reproduzidos duas vezes cada e disponibilizados no canal do artista no YouTube.

O primeiro traz releituras do antológico álbum de 1972, o primeiro solo de Jards, com músicas icônicas como “Vapor barato” e “Farinha do desprezo”. No segundo, ele apresenta, em voz e violão, um repertório com composições consideradas essenciais, como “Anjo exterminado” e “Falam de mim”. O terceiro, que estreia hoje, às 20h30m, traz canções do premiado disco “Besta fera”, lançado em 2019 e indicado ao Grammy Latino, com uma nova interpretação dos arranjos. Os três ficarão disponíveis até amanhã.

Diante das limitações impostas pela pandemia, o projeto teve que ser gravado remotamente. Jards registrou os violões e enviou os arquivos para os músicos do seu power trio: o baterista Thomas Harres, o baixista Pedro Dantas e o guitarrista Guilherme Held, diretor musical do projeto. Cada um gravou seu instrumento de casa e mandou o material para mixagem e masterização.

— Estou me sentindo em um novo lugar, como há 50 anos, quando gravei o primeiro disco. Gostei muito do resultado, é uma nova linguagem. Mas sinto falta de tocar para uma plateia. A câmera é algo frio. Gosto mesmo é de ver os rostos e expressões das pessoas — afirma Jards, morador do Leme.

O projeto foi idealizado pela produtora cultural Rejane Zilles, mulher do artista, em parceria com Held.

— Queríamos aproveitar essa pegada experimental do Jards, que sempre gostou de improvisar muito, e brincar em cima disso. Foi um respiro em meio a tudo o que estamos vivendo e uma motivação a mais para ele seguir produzindo — diz Rejane, diretora-geral do trabalho.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos