Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.590,86
    +1.085,69 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Japonesa Nissan quer mais mulheres em cargos de gestão

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Nissan Motor pretende aumentar a porcentagem de mulheres em cargos de gestão até 2023 a um nível que seria destaque na indústria automotiva do Japão, tradicionalmente dominada por homens. Ainda assim, o diretor de sustentabilidade disse que há muito espaço para melhora.

A montadora informou nesta sexta-feira que planeja elevar a parcela de gerentes do sexo feminino em suas operações no Japão de aproximadamente 10% atualmente para 13% em 2023. Globalmente, a companhia sediada em Yokohama quer 16% de mulheres gerentes naquele ano.

Os números podem parecer pequenos, mas são relativamente ambiciosos no Japão. Apesar das iniciativas do governo para aumentar a parcela de trabalhadoras e mulheres em cargos de gestão para 30% até 2020, menos de 8% dos cargos gerenciais no país eram ocupados por mulheres no ano passado.

A diferença é ainda maior quando se trata da conservadora indústria automotiva, onde os homens predominam.

Entre as companhias industriais japonesas com pelo menos 1.000 funcionários, 4,7% dos gestores são do sexo feminino, de acordo com o Ministério do Trabalho. Em 2018, as mulheres representavam menos de 2% dos gerentes na Toyota Motor e na Honda Motor.

A Nissan atribui o fortalecimento da diversidade a sua aliança com a francesa Renault e começou a promover a igualdade de gênero em 2004 — cerca de uma década antes das rivais. Hoje, a vice-presidente executiva Asako Hoshino se destaca como a mulher de maior cargo em se tratando de promoções internas na indústria automotiva japonesa.

O diretor de sustentabilidade da Nissan, Joji Tagawa, garante que não está satisfeito: “A meta para 2023 é ousada e forte o suficiente? Ainda não”, disse ele durante uma entrevista coletiva na sexta-feira.

As metas da Nissan são baixas em comparação com os padrões internacionais. Globalmente, a porcentagem de mulheres em cargos de alta gestão atingiu 29% em 2020, de acordo com a Catalyst, organização sem fins lucrativos que acompanha a questão de gênero no mundo dos negócios. Entre os 12 membros do conselho da Nissan, há apenas duas mulheres.

“Nosso objetivo é eliminar a desigualdade e a discriminação. Temos muito espaço para melhorias”, disse Tagawa. A Nissan atualmente oferece diversos sistemas de apoio às funcionárias, incluindo creche na sede e em várias outras unidades no Japão, além de políticas que acomodam atividades como buscar crianças na escola, de acordo com um porta-voz.

“Não se trata apenas de atingir metas”, disse Tagawa. Embora representem uma parcela pequena dos executivos do setor automotivo em todo o mundo, as mulheres influenciam mais de 85% de todas as compras de veículos em mercados como o dos EUA, segundo pesquisas recentes.

“Mães, esposas e filhas trazem informações para as decisões de compra de automóveis”, disse Tagawa. Aumentar a diversidade na gestão vai “melhorar o valor da marca Nissan”, afirmou ele.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos