Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.345,82
    +1.857,94 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.376,89
    -141,41 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,47
    -0,82 (-0,74%)
     
  • OURO

    1.848,40
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    29.227,60
    -859,75 (-2,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,79
    -20,09 (-2,98%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.302,49
    -167,57 (-0,82%)
     
  • NIKKEI

    26.870,00
    -131,52 (-0,49%)
     
  • NASDAQ

    11.871,75
    -163,50 (-1,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1266
    -0,0211 (-0,41%)
     

Japonesa ispace vai enviar módulo de pouso à Lua até o fim deste ano

·2 min de leitura

A empresa japonesa ispace quer pousar um módulo com dois rovers na superfície da Lua até o final deste ano. Se tudo ocorrer conforme planejado, esta será a primeira vez que uma sonda do Japão alcança intacta o solo lunar.

O ano de 2022 será recheado de missões que almejam alcançar a Lua, incluindo a missão Artemis I, a primeira do Programa Artemis, da NASA, a qual testará os sistemas que levarão os astronautas para lá. A Coreia do Sul também planeja enviar seu primeiro orbitar lunar até o fim do ano.

A sonda japonesa transportará cargas úteis para dois clientes comerciais (Imagem: Reprodução/ispace)
A sonda japonesa transportará cargas úteis para dois clientes comerciais (Imagem: Reprodução/ispace)

O módulo japonês poderá encontrar com outras missões já em curso, que já estudam o regolito lunar — uma da Rússia e outras dos EUA. A Índia precisou adiar sua segunda tentativa de pouso robótico para 2023, mas os russos seguem otimistas de lançar a sonda Luna-25 neste ano.

A sonda japonesa, que é parte da Missão 1 (M1), terá o tamanho de uma banheira de hidromassagem e atualmente se encontra em fase final de montagem nas instalações da Arianespace, na Alemanha. A M1 será lançada por um Falcon 9, da SpaceX. Uma vez lançada, a missão levará entre três a quatro meses para alcançar a Lua. Isso porque ela usará uma trajetória longa para poupar combustível e, assim, aumentar a disponibilidade de cargas úteis que serão transportadas pela M1.

O módulo de pouso da missão M1 em sua etapa final de montagem (Imagem: Reprodução/ispace)
O módulo de pouso da missão M1 em sua etapa final de montagem (Imagem: Reprodução/ispace)

A ispace almeja mais 10 pousos lunares nos próximos anos, entre esforços de mineração da Lua e busca por recursos valiosos, como ferro e silício, que serão devolvidos à Terra ou usados para construir bases lunares. Os primeiros clientes da ispace, serão a agência espacial japonesa (JAXA, na sigla em inglês) — que testará um rover em diferentes tipos de terrenos lunares — e o programa espacial dos Emirados Árabes Unidos que enviará seu primeiro rover lunar, chamado Rashid.

Na missão seguinte — a M2 —, a ispace levará seu próprio “micro” rover para explorar a superfície da Lua. A missão, que aconteceria no ano que vem, foi adiada para 2024 defino a contratempos no cronograma dos clientes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos