Mercado abrirá em 6 h 36 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,61 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,59 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,35
    +0,37 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.849,60
    +9,40 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    35.311,43
    -582,82 (-1,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    700,77
    +0,15 (+0,02%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,22 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.811,17
    +168,89 (+0,57%)
     
  • NIKKEI

    28.473,32
    -160,18 (-0,56%)
     
  • NASDAQ

    13.037,00
    +51,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5071
    +0,0085 (+0,13%)
     

Japonesa Daiwa abre negócio de mercado de capitais na China

Takashi Umekawa e Yuki Nitta
·1 minuto de leitura
Logo da Daiwa em Tóquio

Por Takashi Umekawa e Yuki Nitta

TÓQUIO (Reuters) - A japonesa Daiwa Securities planeja abrir em fevereiro seu negócio de emissão de títulos na China por meio de uma joint venture, disse o presidente-executivo Seiji Nakata à Reuters.

A China revelou uma série de medidas nos últimos anos para abrir seu setor financeiro de trilhões de dólares para empresas estrangeiras, incluindo bancos, administração de fundos, corretoras e seguradoras.

O plano da Daiwa de abrir um negócio de subscrição com dois sócios locais após o Ano Novo Lunar, em 12 de fevereiro, marcará o retorno da segunda maior corretora e banco de investimento do Japão à China, após uma ausência de seis anos.

"Embora a China tenha riscos ilimitados, incluindo políticos, também tem potencial de crescimento ilimitado em sua economia", disse Nakata à Reuters.

A joint venture da Daiwa com o Beijing State Capital Operation Management Center, com 33%, e a Beijing Xi Cheng Capital, com 16%, aguarda licença da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China.

A Daiwa esteve ativa na China por uma década, tendo 33% de uma joint venture com a Shanghai Securities, mas desistiu em 2014, após não conseguir ganhar participação de mercado significativa, citando o escopo limitado do negócio.

"Era difícil para nós operar o negócio naquela época porque o presidente-executivo da joint venture vinha de nosso parceiro, não de nós", disse Nakata.

O plano da Daiwa segue os movimentos recentes de outras empresas financeiras para aumentar negócios na China.

O Goldman Sachs acertou no início do mês a compra de sua sócia local, assumindo todo o negócio. O JPMorgan elevou a fatia numa joint venture, de 20% para 71%, em novembro. O maior rival japonês da Daiwa, Nomura, lançou uma joint venture em dezembro de 2019, com 51% do controle.