Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.475,32
    -26,65 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Japão vai lançar ao mar água tratada em usina nuclear em Fukushima

O Japão prevê começar a lançar este ano mais de um milhão de toneladas de água tratada na usina nuclear de Fukushima, informou uma fonte do governo nesta sexta-feira (13).

O plano foi apoiado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), mas o governo aguarda um "comunicado amplo" da entidade da Organização das Nações Unidas antes de realizar a liberação da água, disse o secretário do gabinete da instituição, Hirokazu Matsuno, à imprensa.

Os sistemas de resfriamentos da usina transbordaram em 2011, quando um poderoso terremoto provocou um tsunami que causou o pior acidente no nuclear desde Chernobyl.

Este desastre ocorrido no nordeste do Japão deixou cerca de 18.500 mortos e desaparecidos, a maioria, em decorrência do tsunami.

O incidente gerou 100 metros cúbicos de água contaminada por dia, entre abril e novembro do ano passado, que se misturou com a água do solo, mar e chuva.

O líquido foi filtrado para eliminar componentes radioativos e transferido para tanques de armazenamento que já somam 1,3 milhão de metros cúbicos.

"Esperamos que a liberação aconteça em algum momento entre a primavera e o verão, depois que as instalações de liberação forem concluídas e testadas, e o relatório completo da AIEA for publicado", acrescentou Matsuno.

Mas o plano gera preocupação entre os pescadores da região, que temem que o lançamento da água prejudique a reputação de seus produtos, após passarem anos tentando recuperar sua credibilidade com rigorosos testes de qualidade.

Países vizinhos como China e Coreia do Sul, assim como o Greenpeace e outras organizações, criticaram o plano. A AIEA, no entanto, confirmou que o lançamento cumpre os padrões internacionais e "não causará nenhum dano ao meio ambiente".

A empresa responsável pela usina garante que a água tratada está de acordo com os parâmetros nacionais de níveis de radionuclídeos, com exceção de um elemento, o trítio, que, segundo especialistas, pode ser prejudicial à saúde se consumido em grandes quantidades.

O objetivo é diluir a água para reduzir os níveis deste elemento e liberá-la ao mar ao longo de várias décadas através de um oleoduto submarino que tem um quilômetro de extensão.

kh/sah/qan/mas/dl/yr