Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.977,71
    -1.788,75 (-4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Japão relata primeiros casos da variante Mu do coronavírus

·1 minuto de leitura

Na quarta-feira (1), o Japão anunciou que a variante Mu (B.1.621) do coronavírus SARS-CoV-2 — encontrada pela primeira vez na Colômbia — já foi identificada no país. Segundo o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão, os primeiros dois casos da nova cepa do vírus da COVID-19 foram registrados em junho e julho deste ano no país. Em ambos os casos, eram viajantes infectados.

De acordo com as autoridades japonesas, a variante Mu do coronavírus foi detectada em uma mulher, de 40 anos, que chegou no dia 26 de junho de uma viagem aos Emirados Árabes Unidos. Já o outro caso também foi de uma mulher, com cerca de 50 anos, que chegara ao Japão no dia 5 de julho, após viagem ao Reino Unido. Nas duas pacientes, a COVID-19 se comportou de forma assintomática.

Japão confirma dois casos da variante Mu do coronavírus (Imagem: Reprodução/Kjpargeter/Freepik)
Japão confirma dois casos da variante Mu do coronavírus (Imagem: Reprodução/Kjpargeter/Freepik)

Variante Mu está na mira da OMS

Vale lembrar que, na terça-feira (31), a Organização Mundial da Saúde passou a classificar a Mu como uma variante de interesse (VOI) do coronavírus. Segundo a OMS, ela carrega uma "constelação de mutações" e foi identificada em pelo menos 39 países. As suas mutações sugerem que ela possa ser mais resistente às vacinas, mas pesquisas ainda são necessárias para confirmar o fato.

Atualmente, a cepa é predominante apenas na Colômbia e no Equador, onde disputa espaço com a variante Delta (B.1.671.2) do coronavírus. Na Colômbia, a variante representa cerca de 39% dos novos casos da COVID-19, enquanto, no Equador, a sua prevalência é de 13%.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos