Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.280,86
    -69,62 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Japão registra déficit comercial recorde em agosto com aumento das importações de energia

Containers são transportados em porto industrial de Yokohama, no Japão

Por Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) - O Japão teve seu maior déficit comercial em um único mês já registrado em agosto, com o disparada das importações devido aos altos custos de energia e à queda do iene, expondo a vulnerabilidade da economia a pressões externas sobre os preços.

O crescente déficit comercial destaca a natureza frágil da recuperação econômica do Japão, que até agora permaneceu praticamente intacta apesar do alto preço que as empresas estão pagando pelas importações, o que é agravado pela queda do iene para o menor valor em 24 anos e pelas perspectivas crescentes de desaceleração global.

As importações aumentaram 49,9% no ano até agosto, impulsionadas pelos custos de petróleo bruto, carvão e gás natural (GNL), e fazendo com que o déficit comercial aumentasse para 2,8173 trilhões de ienes (19,71 bilhões de dólares), o maior déficit já registrado.

O ganho nas importações foi maior do que a previsão média do mercado para um aumento de 46,7% em uma pesquisa da Reuters e superou um aumento de 22,1% nas exportações no mesmo mês, mostraram dados do Ministério das Finanças.

"As importações estão aumentando à medida que os altos preços das matérias-primas persistem e as interrupções no fornecimento diminuem, enquanto as exportações estão lentas", disse Takeshi Minami, economista-chefe do Instituto de Pesquisa Norinchukin.

"Os custos aumentarão se as importações aumentarem sem qualquer mudança no tamanho da economia global. Isso levará à importação de inflação."

O déficit comercial de agosto foi maior do que o déficit de 2,3982 trilhões de ienes esperado em uma pesquisa da Reuters.

(Reportagem de Daniel Leussink)