Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.880,34
    +351,37 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,49
    -1,18 (-1,88%)
     
  • OURO

    1.792,80
    +14,40 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    55.527,95
    +198,07 (+0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,52
    +18,56 (+1,47%)
     
  • S&P500

    4.160,23
    +25,29 (+0,61%)
     
  • DOW JONES

    34.056,97
    +235,67 (+0,70%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.856,25
    +62,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7007
    -0,0018 (-0,03%)
     

Japão reduz estimativa de crescimento no 4º tri com redução de gastos de empresas

Daniel Leussink e Kaori Kaneko
·1 minuto de leitura

Por Daniel Leussink e Kaori Kaneko

TÓQUIO (Reuters) - A economia do Japão expandiu a um ritmo mais lento do que o inicialmente informando entre outubro e dezembro, com as empresas apertando os gastos em fábricas e equipamentos uma vez que a pandemia de coronavírus prejudica seus planos de negócios.

O crescimento mais lento se deveu principalmente a uma contração mais forte nos estoques privados e a um aumento de gatos de capital menor do que o calculado anteriormente no quarto trimestre, mesmo com as exportações permanecendo sólidas.

Dados separados mostraram que os gastos das famílias foram afetados por uma queda anual em janeiro muito maior do que no mês anterior, um sinal de que a pandemia de Covid-19 está mantendo os consumidores cautelosos sobres as compras.

A economia cresceu a uma taxa anualizada de 11,7% entre outubro e dezembro, contra leitura preliminar de 12,7%, marcando o segundo trimestre seguido de crescimento, mostraram nesta terça-feira dados do Escritório do Gabinete.

A leitura, que foi mais fraca do que a expectativa de economistas de ganho de 12,8%, se traduz em uma expansão real na comparação trimestral de 2,8% entre outubro e dezembro, contra preliminar de 3,0%.

Os gastos de capital cresceram 4,3% sobre o trimestre anterior, contra preliminar de aumento de 4,5%, mas superando a expectativa de alta de 4,1%.

Os estoques privados subtraíram 0,6 ponto percentual do resultado revisado do Produto Interno Bruto, mais do que a contribuição negativa preliminar de 0,4 ponto.