Mercado fechará em 3 h 37 min
  • BOVESPA

    130.636,17
    +1.195,14 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.242,65
    -43,81 (-0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,49
    +0,58 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.864,90
    -14,70 (-0,78%)
     
  • BTC-USD

    40.498,17
    +3.711,18 (+10,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.013,93
    +45,09 (+4,65%)
     
  • S&P500

    4.237,43
    -10,01 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    34.254,77
    -224,83 (-0,65%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.057,25
    +63,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1327
    -0,0599 (-0,97%)
     

Japão prometerá reforma fiscal em plano econômico, aponta esboço

·1 minuto de leitura

Por Takaya Yamaguchi e Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O Japão destacará a necessidade de uma reforma fiscal ao mesmo tempo em que mantém seu estímulo para combater o impacto da pandemia do coronavírus em sua economia, mostrou o esboço do plano fiscal e econômico japonês visto pela Reuters.

O governo também revelará planos para promover investimento verde e digital atraindo a demanda privada, como parte dos esforços para revitalizar a terceira maior economia do mundo, de acordo com o esboço do plano deste ano.

"O governo vai buscar colocar prontamente a economia do Japão aos níveis pré-pandemia com a determinação de nunca mais empurrar o país de volta à deflação", mostrou o documento.

"Não abandonaremos nosso compromisso com a reforma fiscal", disse o primeiro-ministro Yoshihide Suga ao Parlamento nesta segunda-feira.

"Nossa prioridade imediata é acabar com a pandemia o mais rápido possível e acelerar a imunização com a vacina", disse Suga, sem garantir que os pedidos crescentes de parlamentares para implantar outro enorme pacote de estímulo serão atendidos.

O projeto, que serve como base para a formulação da política econômica deste ano, será submetido ao conselho econômico na quarta-feira para deliberação de ministros, acadêmicos e executivos de negócios.

(Por Takaya Yamaguchi e Leika Kihara, reportagem adicional de Daniel Leussink e Tetsushi Kajimoto)