Mercado fechará em 3 h 45 min

Japão gastou recorde de US$42,8 bi em intervenções de outubro para sustentar o iene

Notas de 10.000 ienes reunidas em imagem

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O Japão gastou um recorde de 6,3499 trilhões de ienes (42,8 bilhões de dólares) em intervenção cambial este mês para sustentar o iene, disse o Ministério das Finanças, com investidores ansiosos por pistas sobre quanto mais as autoridades podem intervir para amenizar a forte queda da moeda.

O valor ficou ligeiramente abaixo das estimativas dos corretores do mercado monetário de Tóquio, que estimavam que o Japão havia gastado até 6,4 trilhões de ienes no total em dois dias consecutivos de negociações não anunciadas em 21 e 24 de outubro.

Uma queda acentuada no iene para uma mínima de 32 anos de 151,94 por dólar em 21 de outubro provavelmente desencadeou a intervenção no dia 21.

No entanto, o valor foi quase o dobro dos 2,8 trilhões de ienes que Tóquio gastou no mês passado em sua primeira intervenção de compra e venda de dólares em mais de duas décadas. Os últimos registros de intervenção aconteceram de 29 de setembro a 27 de outubro.

As últimas intervenções ajudaram a desencadear uma queda imediata do dólar de mais de 7 ienes em 21 de outubro, e outro tombo de cerca de 5 ienes em 24 de outubro, embora temporariamente; a moeda japonesa desde então está sob pressão renovada.

Com dados sólidos de gastos do consumidor nos Estados Unidos concentrando a atenção na inflação persistente e atenuando as expectativas de aumentos mais lentos dos juros pelo Federal Reserve, enquanto o Banco do Japão continua comprometido com juros ultrabaixos, o dólar voltava a subir nesta segunda-feira, com alta de 1%, a 148,45 ienes.

Os dados de intervenção cambial do Japão, incluindo valores totais mensais divulgados no final de cada mês e gastos diários divulgados em relatórios trimestrais, são observados de perto em busca de pistas sobre quanto mais o Japão pode estar disposto a gastar em suas incursões no mercado de câmbio.

Os números desta segunda-feira atrairão escrutínio adicional depois que o Ministério das Finanças se absteve de comentar suas aparentes ações no mercado este mês, adotando uma abordagem furtiva à intervenção. O órgão confirmou a ação de compra de ienes do mês passado imediatamente após a ocorrência.

(Reportagem de Tetsushi Kajimoto)