Mercado abrirá em 7 h 4 min
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,10
    -2,18 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.750,40
    -3,60 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.201,87
    -359,23 (-2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,06
    -2,59 (-0,68%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.225,41
    -348,17 (-1,98%)
     
  • NIKKEI

    28.138,10
    -144,93 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    11.686,00
    -96,75 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6090
    -0,0154 (-0,27%)
     

Japão está pronto para tomar medidas "decisivas" em relação ao iene, diz ministro

ministro das Finanças do Japão, Shunichi Suzuki

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O Japão está pronto para tomar medidas "decisivas" no mercado cambial se movimentos excessivos persistirem no iene, disse o ministro das Finanças, Shunichi Suzuki, nesta segunda-feira, em uma nova advertência contra os investidores que vendem a moeda.

"É importante que as moedas se movimentem de forma estável, pois movimentos bruscos e unilaterais são indesejáveis", disse Suzuki em uma coletiva de imprensa após reunião do gabinete, referindo-se às recentes quedas bruscas do iene.

"Nós interviemos outro dia e dissemos que tomaríamos medidas decisivas conforme necessário. Não há dúvida de que isso protegeu contra movimentos especulativos", disse ele.

As declarações fizeram pouco para evitar que o iene enfraquecesse ainda mais. O dólar subiu brevemente para 145,40 ienes nesta segunda-feira, marcando o nível mais alto desde que o Japão interveio no mercado de moedas para sustentar o iene em 22 de setembro.

"Não há mudança em nossa posição de que daremos passos decisivos no mercado cambial conforme necessário", disse Suzuki a repórteres após a alta do dólar para a máxima diária.