Mercado fechará em 3 h 19 min
  • BOVESPA

    118.677,91
    -968,49 (-0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.122,96
    -2,75 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,09
    -0,22 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.865,20
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    31.481,36
    -2.020,73 (-6,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    628,77
    -51,13 (-7,52%)
     
  • S&P500

    3.860,71
    +8,86 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    31.240,89
    +52,51 (+0,17%)
     
  • FTSE

    6.722,01
    -18,38 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.365,50
    +71,25 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5328
    +0,1248 (+1,95%)
     

Japão eleva perspectiva para o PIB no ano fiscal de 2021 com pacote de estímulo

Kaori Kaneko
·1 minuto de leitura
Prédios empresariais em Tóquio

Por Kaori Kaneko

TÓQUIO (Reuters) - O Japão elevou sua previsão de crescimento econômico para o próximo ano fiscal graças a seu último pacote de estímulo, cujo objetivo é acelerar a recuperação após os danos causados pela pandemia de coronavírus.

A economia deve crescer 4,0% em termos reais ajustados aos preços no próximo ano fiscal que começa em abril de 2021, mostrou nesta sexta-feira a mais recente estimativa do Escritório do Gabinete.

A estimativa anterior, de julho, era de expansão de 3,4%.

"A economia vai se recuperar para o nível de antes do coronavírus ao alcançar taxa de crescimento real de 4,0% no próximo ano fiscal", disse o primeiro-ministro, Yoshihide Suga, em reunião do governo para discutir políticas econômica e fiscal nesta sexta-feira.

A melhora da avaliação econômica foi sustentada pelo terceiro orçamento suplementar do governo, que foi aprovado nesta semana, para financiar o pacote de estímulo de 708 bilhões de dólares para ajudar a economia a se recuperar da queda no segundo trimestre.

O crescimento projetado de 4% para o próximo ano, se confirmado, será o mais forte já registrado desde que dados comparáveis se tornaram disponíveis em 1995, disse o Escritório do Gabinete.