Mercado abrirá em 5 h 53 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,09
    +0,22 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.925,70
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    23.125,25
    +333,50 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.955,58
    +113,25 (+0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.353,61
    +26,50 (+0,10%)
     
  • NASDAQ

    12.111,25
    -40,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5220
    +0,0064 (+0,12%)
     

Japão alerta para finanças precárias em meio a luta do BC para conter rendimentos de títulos

Ministro das Finanças do Japão, Shunichi Suzuki

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - As finanças do Japão estão se tornando cada vez mais precárias, alertou o ministro das Finanças, Shunichi Suzuki, nesta segunda-feira, enquanto os mercados testam se o banco central pode manter os juros ultrabaixos, permitindo que o governo pague sua dívida.

O governo tem sido ajudado por rendimentos de títulos próximos de zero, mas investidores recentemente buscaram quebrar o limite de 0,5% do Banco do Japão sobre o rendimento do título de 10 anos, no momento em que a inflação atinge máximas de 41 anos, o dobro da meta de 2% do banco central.

“As finanças públicas do Japão atingiram um grau de severidade sem precedentes, enquanto compilamos orçamentos suplementares para responder ao coronavírus e questões semelhantes”, disse Suzuki em um discurso que abriu uma sessão do Parlamento.

Não é incomum que o ministro das Finanças se refira às finanças tensas do Japão. Apesar da crescente pilha de dívidas do país, o governo continua sob pressão para manter a torneira fiscal aberta. O Japão tem que equilibrar os temores de segurança regional com a China, a Rússia e a Coreia do Norte e administrar uma dívida com mais do que o dobro do tamanho de sua economia de 5 trilhões de dólares, de longe a carga mais pesada do mundo industrializado.

O mercado mostrou pouca reação ao discurso de Suzuki, no qual ele explicou os detalhes do orçamento estatal do próximo ano fiscal no valor recorde de 114,4 trilhões de ienes (878,9 bilhões de dólares).

Suzuki reiterou o objetivo do governo de alcançar um superávit orçamentário anual, excluindo novas vendas de títulos e custos do serviço da dívida, no ano fiscal até março de 2026. O governo, no entanto, não tem cumprido as metas de equilíbrio orçamentário há uma década.

(Reportagem de Tetsushi Kajimoto)