Mercado fechado

Janaina Paschoal defende saída de Bolsonaro da Presidência

Carolina Freitas

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) defendeu há pouco, em discurso na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o afastamento de Jair Bolsonaro da Presidência da República.

Em 2018, Janaína chegou a ser cotada para ser candidata a vice de Bolsonaro. Disputou vaga na Assembleia e se tornou parlamentar mais votada da história do Brasil, com mais de 2 milhões de votos pela antiga sigla do presidente. Além disso, é autora do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em seu discurso hoje, disse não haver tempo para um processo semelhantes com Bolsonaro.

“As autoridades têm de se unir e pedir para ele [Bolsonaro] se afastar. Nós não temos tempo para um processo de impeachment. Nós estamos sendo invadidos por um inimigo invisível. Precisamos de pessoas capazes de conduzir a nação. Quero crer que Mourão possa fazer esse trabalho por nós”, afirmou a deputada na tribuna do plenário da Assembleia estadual.

O que motivou o discurso da deputada hoje foi o fato de Bolsonaro ter saído ontem à rua cumprimentando pessoas que participavam de um ato de apoio ao governo em Brasília. O presidente está em resguardo depois que quatro pessoas da comitiva que viajou com ele para os Estados Unidos testaram positivo para covid-19. O primeiro exame de Bolsonaro deu negativo, mas amanhã ele fará um novo teste.

Janaína Paschoal durante o discurso na Alesp

Reprodução Youtube

“Quando as autoridades têm o poder e o dever de tomar providências para evitar um resultado danoso, e assim não procedem, elas respondem por esse resultado. Isso é homicídio doloso”, afirmou Janaina.

“Isso vai ser atribuído principalmente ao presidente da República, porque o que ele fez ontem é inadmissível, injustificável, indefensável, um crime contra a saúde pública. Esse senhor tem que sair da Presidência da República.”

A deputada afirma ainda ter se arrependido do voto em Bolsonaro para presidente. “Eu me arrependi do meu voto. Que país é esse? Como é que esse homem vai lá, potencialmente contaminando as pessoas? Pegando nas mãos, beijando. Ele tá brincando? Ele acha que ele pode tudo?”