Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.443,52
    +405,84 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

James Webb fotografa Grande Nuvem de Magalhães com incrível nível de detalhes

O telescópio espacial James Webb (JWST) obteve uma imagem que mostra parte da Grande Nuvem de Magalhães, galáxia satélite da Via Láctea, em um nível de detalhes nunca antes conseguido. O registro foi produzido como uma imagem de teste do instrumento científico Mid-Infrared Instrument (MIRI) durante o processo de alinhamento e preparação do JWST para o início de sua missão científica.

Produzida com resolução de 7,7 mícrons, a imagem mostra um pedacinho da Grande Nuvem de Magalhães com uma clareza fascinante: nela, conseguimos observar o gás interestelar da galáxia com detalhes sem precedentes, que incluem emissões de moléculas de carbono e hidrogênio importantes para o equilíbrio térmico e química do gás.

Abaixo, você confere a imagem do Webb (à direita) em comparação com uma da mesma região (à esquerda) feita pelo já aposentado telescópio Spitzer, que operou entre 2003 e 2020:

À esquerda, a imagem feita com o Spitzer. À direita, a do Webb (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech (left), NASA/ESA/CSA/STScI)
À esquerda, a imagem feita com o Spitzer. À direita, a do Webb (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech (left), NASA/ESA/CSA/STScI)

No lado esquerdo, está a imagem produzida pelo telescópio espacial Spitzer. Este foi um dos chamados Grandes Observatórios da NASA e produzia observações na luz infravermelha, registrando regiões no espaço ocultas aos "olhos" dos telescópios ópticos. Graças a isso, o Spitzer pôde observar nuvens de poeira interestelar e materiais que, no futuro, dariam origem a novos planetas.

Já o Webb está equipado com um espelho primário maior e detectores aprimorados, e poderá observar o céu com ainda mais detalhes. Agora, a equipe do telescópio espacial passará cerca de dois meses preparando e testando os instrumentos do Webb para iniciar as observações científicas. Quando estiver pronto para iniciar o trabalho, estudos realizados com o MIRI vão ajudar os astrônomos a desvendar o nascimento das estrelas e até de sistemas protoplanetários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos