Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    109.199,53
    +222,83 (+0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.809,32
    +140,68 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,24
    -1,04 (-1,36%)
     
  • OURO

    1.748,90
    -5,10 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.206,36
    -340,93 (-2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,21
    -1,08 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.005,79
    -20,33 (-0,50%)
     
  • DOW JONES

    34.220,01
    -127,02 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.479,59
    -7,08 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.752,25
    -30,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6152
    -0,0092 (-0,16%)
     

James Webb fotografa a galáxia mais distante já vista

James Webb: lentes infravermelhas são essenciais nas novas descobertas do Webb
James Webb: lentes infravermelhas são essenciais nas novas descobertas do Webb
  • Observação foi possível graças às novas ferramentas utilizadas no Webb;

  • Descoberta traz novas teorias sobre a formação do Universo;

  • Galáxia GLASS-z12 se formou 350 milhões após o Big Bang.

O telescópio espacial James Webb, talvez o telescópio mais famoso de todos os tempos, realizou mais uma observação inédita no espaço sideral, conseguindo fotografar uma das primeiras galáxias do Universo, formada logo após o Big Bang.

Denominada de GLASS-z12, a galáxia foi criada 350 milhões de anos após o início do Universo. Apesar de parecer bastante tempo, em termos cósmicos a casa dos milhões de anos é bastante pequena. Nosso planeta Terra, por exemplo, tem 4,5 bilhões de anos, enquanto estima-se que o Universo tem aproximadamente 13,8 bilhões de anos.

A descoberta se deu graças aos instrumentos do Webb, que o permitem olhar mais fundo no espaço-sideral. O telescópio espacial tem, por exemplo, uma lente capaz de enxergar o espectro de luz infravermelha, que consegue viajar por maiores distâncias.

“Com o Webb, ficamos surpresos ao encontrar a luz estelar mais distante que alguém já havia visto, poucos dias depois que o Webb divulgou seus primeiros dados”, afirmou em cum comunicado o astrônomo Rohan Naidu, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

“Assim que começamos a coletar dados, descobrimos que há muito mais galáxias distantes do que esperávamos”, disse Tommaso Treu, investigador principal do programa GLASS-JWST e professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

As descobertas podem mudar tudo o que se pensava sobre as formações das galáxias no chamado Universo primitivo. Os dados sugerem que as formações estelares podem ter começado a aparecer a apenas 100 milhões de anos após o Big Bang, e não mais tarde como se acreditava.

Outro grande mistério que pode ser desvendado é sobre suas configurações. A partir do brilho emitido especula-se que ou essas galáxias eram enormes e possuíam muitas estrelas de baixa massa, uma configuração mais similar às galáxias formadas mais tarde no Universo, ou que eram menores, mas extremamente brilhantes, cheia de objetos luminosos chamados de estrelas da População III, um objeto cosmológico há muito tempo teorizado como as primeiras estrelas a nascer nos cosmos.